O Veneno Chamado Paracetamol
Os seguintes avisos ocorreram:
Warning [2] Cannot modify header information - headers already sent by (output started at /home/noti/noticiasnaturais.com/mybb/inc/db_mysql.php(2) : eval()'d code:9) - Line: 1721 - File: inc/functions.php PHP 5.3.28 (Linux)
File Line Function
[PHP]   errorHandler->error
/inc/functions.php 1721 header
/inc/class_session.php 338 my_setcookie
/inc/class_session.php 75 session->load_guest
/global.php 55 session->init
/showthread.php 22 require_once
Warning [2] Cannot modify header information - headers already sent by (output started at /home/noti/noticiasnaturais.com/mybb/inc/db_mysql.php(2) : eval()'d code:9) - Line: 1721 - File: inc/functions.php PHP 5.3.28 (Linux)
File Line Function
[PHP]   errorHandler->error
/inc/functions.php 1721 header
/inc/class_session.php 343 my_setcookie
/inc/class_session.php 75 session->load_guest
/global.php 55 session->init
/showthread.php 22 require_once
Warning [2] Cannot modify header information - headers already sent by (output started at /home/noti/noticiasnaturais.com/mybb/inc/db_mysql.php(2) : eval()'d code:9) - Line: 1721 - File: inc/functions.php PHP 5.3.28 (Linux)
File Line Function
[PHP]   errorHandler->error
/inc/functions.php 1721 header
/inc/class_session.php 83 my_setcookie
/global.php 55 session->init
/showthread.php 22 require_once
Warning [2] Cannot modify header information - headers already sent by (output started at /home/noti/noticiasnaturais.com/mybb/inc/db_mysql.php(2) : eval()'d code:9) - Line: 1721 - File: inc/functions.php PHP 5.3.28 (Linux)
File Line Function
[PHP]   errorHandler->error
/inc/functions.php 1721 header
/inc/functions.php 1783 my_setcookie
/inc/functions_indicators.php 42 my_set_array_cookie
/showthread.php 585 mark_thread_read
Warning [2] Cannot modify header information - headers already sent by (output started at /home/noti/noticiasnaturais.com/mybb/inc/db_mysql.php(2) : eval()'d code:9) - Line: 1721 - File: inc/functions.php PHP 5.3.28 (Linux)
File Line Function
[PHP]   errorHandler->error
/inc/functions.php 1721 header
/inc/functions.php 1783 my_setcookie
/inc/functions_indicators.php 218 my_set_array_cookie
/inc/functions_indicators.php 48 mark_forum_read
/showthread.php 585 mark_thread_read



Óleo de Coco Extra Virgem pelo menor preço é na Tudo Saudável



Responder 
 
Avaliação do Tópico:
  • 3 Votos - 5 Média
  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5
O Veneno Chamado Paracetamol
10-04-2012, 11:29 PM
Resposta: #21
RE: O veneno chamado Paracetamol
*** A quem interessar, um pouco mais do assunto...

*** E...só para avisar...minha opinião já está formada, então...isto NÃO É UM DEBATE , é apenas mais uma informação que julguei relevante...logicamente, A QUEM INTERESSAR.


Doença de Alzheimer causada por Paracetamol?

paracetamol

À primeira vista parece surrealista associar a doença de Alzheimer (DA) a um analgésico (alívio da dor) e antipirético (redução da febre) inofensivo que não necessita de receita médica. O paracetamol tem a designação de acetaminofeno nos EUA e no Canadá e é muitas vezes vendido sob o nome de marca Tylenol. Na Australásia, África, Ásia, Europa e América Central, o Panadol é a marca que se encontra com maior facilidade.

Contrariamente aos anti-inflamatórios não esteróides (AINE), como a aspirina, o ibuprofeno e o naproxeno, que reduzem a dor e a inflamação principalmente através de acção local, descobriu-se recentemente que o paracetamol actua principalmente afectando o cérebro onde bloqueia a recaptação de substâncias químicas analgésicas de tipo canábis ou endocanabinóides. Isto reduz apenas a dor sem melhorar a inflamação. Dá-nos também uma indicação da razão pela qual há mais probabilidades de associar o paracetamol a uma doença degenerativa do cérebro do que os AINE com o seu modo de acção principalmente local e as suas propriedades anti-inflamatórias.

Que o paracetamol está longe de ser inofensivo percebe-se na sua tendência para causar danos renais e hepáticos. De acordo com um estudo recente, o "uso excessivo" de acetaminofeno é a causa mais frequente de insuficiência hepática aguda nos Estados Unidos. O paracetamol tem um índice terapêutico muito estreito. O índice terapêutico de um medicamento é a relação entre a dose tóxica e a dose terapêutica. Por conseguinte, é fácil a sobredosagem com paracetamol e a maioria dos danos hepáticos resultaram de doses excessivas não intencionais, embora a sobredosagem intencional (suicídios) também seja frequente.

A toma diária máxima recomendada é de 4 gramas, mas esta quantidade já tende a causar danos no fígado, estando a FDA a contemplar, desde 2009, a redução da dose máxima recomendada. A sobredosagem de paracetamol dá origem a um número de chamadas para os centros de controlo de venenos nos EUA superior às outras chamadas relacionadas com qualqur tipo de sobredosagem com substância farmacológica. O paracetamol é especialmente tóxico para o fígado se for tomado juntamente com álcool, podendo então ser facilmente fatal. Se for tomado durante a gravidez, o paracetamol pode causar infertilidade masculina nos rapazes recém nascidos.

Se não for tratada, a sobredosagem pode conduzir a insuficiência hepática e à morte ao fim de alguns dias. O antídoto para a sobredosagem com paracetamol é a acetilcisteína (também designada por N-acetilcisteína ou NAC). Trata-se de um precursor do antioxidante glutationa que ajuda o organismo a prevenir os danos hepáticos. O paracetamol também é letal para os gatos e as cobras. (1)

No entanto, até à década de 1970, a fenacetina era o analgésico preferido; era convertida no organismo em paracetamol como o seu ingrediente activo. Na década de 1940, registou-se um aumento acentuado de úlceras gástricas em mulheres jovens na Austrália, especialmente em Queensland e em Nova Gales do Sul, a que se seguiu uma epidemia de insuficiência renal na década de 1960. Foi igualmente reconhecido nessa altura que estes casos estavam relacionados e eram induzidos pelos analgésicos, em particular pelo consumo viciante de Bex® Powder. Inicialmente, o Bex continha aspirina, fenacetina e cafeína, mas em 1976 a fenacetina foi substituída por paracetamol. Era utilizado de uma forma viciante por mulheres de todas as idades, especialmente donas de casa, que eram incentivadas a tomar "uma chávena de chá, um Bex e a fazer uma sesta". Era também o medicamento de alteração de humor eleito pelas mulheres jovens (2).

A ligação com a Alzheimer

Inicialmente, a partir da década de 1880, a fenacetina, um derivado da anilina, era muito utilizada como analgésico. O consumo de fenacetina e de outros analgésicos aumentou acentuadamente depois da Segunda Guerra Mundial. Em 1971, foi publicada a primeira comunicação que associava o uso elevado de fenacetina ao desenvolvimento da doença de Alzheimer (3). Foram realizadas autópsias a uma série de pessoas que tinham morrido de doenças renais causadas pelo consumo elevado de analgésicos (nefropatia analgésica).

Foram encontradas placas senis em seis indivíduos com idades compreendidas entre os 52 e os 67 anos que tinham consumido doses elevadas de fenacetina ao longo da vida, mas não se observaram placas em dois indivíduos de 68 e 72 anos que tinham consumido quantidades semelhantes de aspirina ao longo da vida, mas que não tinham consumido fenacetina. Estas descobertas não se aplicam só à fenacetina em si, mas também ao seu metabolito activo paracetamol que eventualmente substituiu a fenacetina por ter uma toxicidade renal menor.

O resumo desta comunicação diz o seguinte: "Estudos psicométricos e psiquiátricos de oito doentes que tinham abusado de analgésicos compostos contendo fenacetina revelaram que quatro apresentavam provas definitivas e dois provas eventuais de demência orgânica. Estudos neuropatológicos de outros nove abusadores de analgésicos revelaram uma incidência surpreendentemente elevada das características histológicas da doença de Alzheimer. Sugere-se que o abuso exagerado de fenacetina pode destruir a protecção antioxidante do organismo, conduzindo à deposição prematura de lipofuscina e ao envelhecimento neuronal acelerado."

Não foi dado seguimento a este estudo por outros investigadores ou agências de saúde. Mas algum tempo depois sucedeu algo de "estranho" a Robert Jones que o fez pesquisar mais a fundo a eventual ligação entre o paracetamol e a DA. Robert Jones (PhD) trabalhou principalmente como investigador britânico do cancro até se incompatibilizar com a ordem estabelecida ao publicar o seu protocolo para o tratamento do cancro com prometazina, um anti-histamínico também conhecido como Fenergan. (4)

O caso passou-se há vinte anos, quando Robert Jones tomou paracetamol durante cerca de 10 dias para aliviar as dores enquanto pintava a casa. Duas semanas mais tarde reparou que estava com problemas ao nível da memória de curta e de longa duração. Gradualmente estes problemas melhoraram mas, dez anos mais tarde, a mesma sequência repetiu-se. Isto despertou a sua curiosidade e começou à procura de uma eventual ligação entre o paracetamol e a DA. O resultado da sua investigação foi um artigo publicado na Medical Hypothesis em 2001. (5) Não teve grande impacto pelo que recentemente escreveu outro: O alinhamento relativo dos historiais de certos analgésicos e da doença de Fischer-Alzheimer (F-DA) revela factores de risco farmacológico associados? Mas desta vez a comunicação nem sequer foi aceite por uma revista médica. (6)

A cronologia da DA e do paracetamol

O termo doença de Alzheimer foi cunhado em 1910 para uma forma pouco habitual de demência de início precoce. Tinha sido reconhecida de forma independente em 1901 por Oskar Fischer em Praga e, em seguida, por Alois Alzheimer em Frankfurt. O primeiro doente de Fischer faleceu em 1903; o de Alzheimer em 1906. O córtex de cada doente apresentava lesões raras semelhantes a placas. Ambos publicaram as suas descobertas em 1907. Apesar de uma busca intensa, antes de 1907 só tinham sido descobertos 12 casos de placas em doentes com demência. Nos 5 anos seguintes, foram descobertos 115 casos novos dos quais Fischer descreveu 56.

Comparemos a cronologia destes casos que conduziram ao reconhecimento e à definição da DA com a introdução e o uso da fenacetina. Tanto a fenacetina como o paracetamol foram experimentados pela primeira vez em doentes em 1887. Nessa altura, a fenacetina tornou-se o fármaco preferido e as suas vendas estabeleceram a Bayer como uma das mais importantes empresas farmacêuticas. Inicialmente, alguns médicos recomendavam doses muito elevadas. O uso da fenacetina difundiu-se em grande escala a nível internacional como resultado da pandemia de gripe asiática de 1889-90. Ao mesmo tempo, tornou-se também aparente a sua toxicidade renal.

Comparando as linhas temporais, vemos que a introdução e o uso generalizado da fenacetina precederam em uma ou duas décadas o aparecimento súbito e a disseminação explosiva da DA. Além disso, estas vítimas iniciais da DA revelavam, geralmente, os danos renais característicos do uso excessivo da fenacetina. Outra indicação de uma eventual ligação causal é o facto estatístico de o uso de paracetamol e a incidência de DA serem, presentemente, quase duas vezes mais elevados nas mulheres do que nos homens.

Inicialmente, a fenacetina e mais tarde o paracetamol eram principalmente utilizados e produzidos nos países industrializados e é aí que a DA começou por se desenvolver. Mas em anos mais recentes (2008), a produção parou na Europa e está agora baseada principalmente na China e na Índia, que actualmente têm também as taxas de crescimento mais elevadas previstas para a DA. A produção mundial anual estimada de paracetamol é de cerca de 145.000 toneladas. É uma quantidade tremenda de comprimidos para engolir e, à dose máxima de 4 g/dia, suficiente para controlar a dor crónica de cerca de 100 milhões de pessoas. Mostra-nos também o que poderão vir a ser as taxas de incidência da DA; em 2010, existem cerca de 35 milhões de casos de DA em todo o mundo.

Até agora, as indicações são no sentido de que é necessário um elevado consumo de paracetamol durante períodos prolongados para suscitar o desenvolvimento da DA. Com 51%, descobriu-se que o uso de paracetamol em doentes com demência era mais elevado do que com 21% nos indivíduos de controlo sem demência. Nalguns estudos mais recentes, a aspirina e outros AINE tiveram um efeito moderadamente protector no desenvolvimento da DA, mas o uso de paracetamol durante mais de 2 anos aumentou o risco em cerca de 50%. No entanto, tratou-se de estudos de curta duração e não foi especificado se o uso de paracetamol era ocasional e ligeiro ou crónico e pesado. (6)

Factores contributivos

Podemos assumir que o risco de desenvolvimento da DA depende de vários factores, incluindo o consumo de paracetamol ao longo da vida, a capacidade de desintoxicação da substância pelo fígado e de excreção dos resíduos pelos rins. Por conseguinte, é possível prever que uma pessoa com danos hepáticos ou renais, ou sobrecarregada com a ingestão de outros fármacos, ou exposta a mercúrio, desenvolva DA com doses muito inferiores às de uma pessoa que seja razoavelmente saudável e que normalmente não utilize outros fármacos.

Há três vias metabólicas nas quais o fígado pode desintoxicar o paracetamol e uma destas vias pode produzir um metabolito tóxico que se pode acumular com consumos elevados e com certas condições genéticas e metabólicas. É de esperar, portanto, que a dose acumulada de paracetamol que pode desencadear a DA varie muito de pessoa para pessoa.

Além disso, não há motivos para crer que o paracetamol possa ser o único fármaco ou produto químico no ambiente que pode causar danos cerebrais do tipo DA. Não só os fármacos e os produtos químicos individualmente mas também as suas combinações podem causar ou contribuir para a DA. Não sabemos nada sobre isto, até agora ninguém investigou.

Um exemplo revelador é a descoberta "acidental" de que pequenas quantidades do herbicida vulgar paraquat e do fungicida maneb são aparentemente inofensivas quando administradas a animais isoladamente, mas quando dadas em conjunto a ratos e ratinhos, mesmo em doses muito baixas, produzem os sintomas da doença de Parkinson. Estes produtos químicos são muito utilizados na agricultura e podem manter-se presentes como resíduos das culturas. Segundo afirmou o chefe da equipa de investigação: "Ninguém considerou os efeitos de estudar em conjunto alguns destes compostos que, tomados isoladamente, pouco efeito têm. Isto tem implicações enormes," e "é um problema gigantesco começar a pensar sobre uma série quase infinita de misturas de produtos químicos, em vez de pensar no risco que um só produto químico pode representar". (7)

Quem sabe se os resíduos de paraquat e maneb também causam ou contribuem para o desenvolvimento da DA? Quem é responsável por descobrir e permitir apenas combinações seguras de fármacos e produtos químicos na nossa cadeia alimentar? É evidente que a forma segura de minimizar as nossas hipóteses de desenvolvermos a DA consiste em minimizar a nossa exposição a todos os fármacos e produtos químicos questionáveis! Foi recentemente revelado que até mesmo a toma ocasional de medicamentos relativamente inofensivos para o tratamento da insónia e da ansiedade aumenta o risco de mortalidade em 36%, e os AINE de uso generalizado aumentam o risco de acidente vascular cerebral até 86% ao mesmo tempo que aumentam a taxa de mortalidade geral (8).

Temos agências de saúde governamentais que, supostamente, deviam garantir a segurança dos medicamentos. Até agora, após mais de cem anos de uso médico, não foram efectuadas nenhumas verificações de segurança adequadas à fenacetina ou ao paracetamol, especialmente no que diz respeito à possibilidade de causarem ou contribuírem para a DA.

Na realidade, também não foram efectuadas verificações de segurança adequadas a outros fármacos. O que se exige às empresas farmacêuticas é apenas a realização de uns estudos de curta duração com medicamentos isolados e muitas vezes em indivíduos saudáveis. A partir desses estudos o sistema médico deduz, como por magia, que esses medicamentos são depois seguros quando utilizados por períodos prolongados ou ao longo da vida, e/ou se forem utilizados por pessoas com deficiências ao nível do funcionamento do fígado ou dos rins, e/ou com capacidades metabólicas ou desintoxicantes reduzidas, e/ou quando utilizados combinados com vários outros medicamentos e produtos químicos. Nalguns casos, os medicamentos podem ser suspensos ou retirados ao fim de algumas décadas, após a morte desnecessária de um número suficiente de doentes, mas em geral ninguém sabe qual é a morbidade ou a mortalidade causada pelo uso prolongado dos medicamentos em várias combinações para tratar problemas diferentes.

Uma categoria de medicamentos que causam frequentemente deterioração ou perda de memória são as estatinas prescritas para baixar os níveis de colesterol. O Dr. Graveline, astronauta da NASA, médico aeronáutico e médico de família, escreveu que sofreu uma perda total temporária de memória ao fim de seis semanas a tomar Lipitor. Recolheu declarações de outras pessoas que tinham sido afectadas da mesma maneira. Foi sugerido que os níveis altos ou elevados de colesterol protegem o cérebro de deterioração. (9)

Outras causas frequentemente apontadas ou que contribuem para o desenvolvimento da DA são a falta de ácidos gordos ómega-3 de cadeia longa, especificamente o DHA; o mercúrio das amálgamas dentárias, marisco e vacinas, e o alumínio das panelas, folha de alumínio de cozinha, alimentos processados, alimentos assados, pó para levedar, bebidas fermentadas, água de beber, alguns antiácidos e antitranspirantes. Faz-se referência a outros factores como o chumbo, os telemóveis, os solventes, fungos e parasitas, o açúcar, a água cloretada, os anestésicos inalantes e as excitotoxinas (por exemplo, MSG). Encontra-se um bom resumo destes factores com algumas referências em Alzheimer's Disease: On Suggested Causes and Cures. (10)

Bernard Windham (perito em bio-estatística) recolheu centenas de referências científicas sobre os efeitos tóxicos do mercúrio e também do alumínio como causa da DA e de outras doenças neurológicas e autoimunes. De acordo com essas referências, um dos principais factores da neurotoxicidade do mercúrio são os níveis reduzidos de glutationa peroxidase e superóxido dismustase que conduzem ao aumento da peroxidação lipídica no cérebro. Basta alguns microgramas de mercúrio para perturbar severamente as funções celulares. O mercúrio também se acumula nas mitocôndrias e interfere com as suas funções vitais, especialmente ao inibir as enzimas do citocromo C e ao reduzir o fornecimento de energia ao cérebro. (11)

Relativamente ao mercúrio e ao alumínio existentes nas vacinas podemos ler o seguinte: "Um estudo envolvendo pessoas que apanharam regularmente vacinas da gripe concluiu que, no caso de uma pessoa ter apanhado cinco vacinas da gripe consecutivas entre 1970 e 1980 (os anos estudados), as suas hipóteses de contrair a doença de Alzheimer são dez vezes maiores do que se só tivesse apanhado uma vacina ou não tivesse apanhado vacina nenhuma". (12)

A cura da niacinamida

Num estudo em ratinhos com DA induzida, a sua memória total foi reposta após o tratamento durante quatro meses com o equivalente à dose humana de 2000 a 3000 miligramas de niacinamida, também designada por nicotinamida ou vitamina B3. A niacina ou ácido nicotínico também pertence a este grupo mas tende a induzir rubor e algumas pessoas poderão mostrar relutância em tomá-la, embora seja a forma recomendada de reduzir o colesterol e os triglicéridos no sangue.

"Cognitivamente, eles (os ratinhos) foram curados", comentou o investigador principal. "A vitamina impediu completamente o declínio cognitivo associado à doença, repondo-os no nível em que se encontrariam se não tivessem tido a patologia". Além disso, a niacinamida melhorou também a memória dos ratinhos sem DA. Actualmente, há vários ensaios em curso com niacinamida envolvendo seres humanos. (13)

Não constitui verdadeiramente uma surpresa que a vitamina B3 seja benéfica pois também actua em muitas outras situações, como por exemplo melhorar ou normalizar a esquizofrenia, problemas de senilidade, artrite, hiperactividade ou dificuldades comportamentais e de aprendizagem nas crianças, problemas de colesterol, cancro, dermatite, diabetes juvenil, fadiga e falta de energia (14). A razão pela qual uma única vitamina consegue ajudar em todos estes problemas é o seu papel essencial como coenzima na produção de energia celular oxidativa.

Se certas zonas do cérebro ou do organismo estiverem congestionadas com produtos residuais metabólicos ou se, por outros motivos, tiverem um fornecimento de sangue reduzido, a produção de energia nessa parte do organismo é reduzida. O cérebro precisa de 20% da nossa energia total para funcionar adequadamente e, portanto, é especialmente sensível à falta de energia.

Uma indicação do grau de envelhecimento biológico é a quantidade de ácido láctico que se acumula no cérebro. É especialmente acentuado com as doenças degenerativas do cérebro como a DA e a doença de Parkinson (15). O ácido láctico forma-se quando a produção de energia oxidativa nas mitocôndrias, as fontes de energia no interior das células, diminui. Na DA, demonstrou-se que as enzimas dependentes da niacinamida são deficientes (16). Levar mais niacinamida às células congestionadas do cérebro ajuda a acelerar a produção de energia e deixa essas células funcionar de uma forma mais normal.

Poderá haver um motivo adicional especificamente relacionado com o paracetamol na sua função como antipirético. Isto significa que o paracetamol baixa a temperatura do corpo e pode fazê-lo baixando a temperatura numa parte específica do cérebro reduzindo o metabolismo energético nessa zona. A niacinamida tem o efeito oposto uma pessoa que não produz calor corporal suficiente e que sente facilmente frio quando tem as mãos e os pés frios, pode muitas vezes melhorar ou solucionar este problema tomando doses elevadas de suplementos de niacinamida.

Contudo, mesmo que a niacinamida funcione tão bem nos seres humanos como nos ratinhos, é pouco provável que seja uma solução permanente. Na maioria das situações referidas, é necessário manter as doses elevadas indefinidamente ou até à remoção do bloqueio primário da produção de energia. Isto é semelhante a fornecer triglicéridos de cadeia média (MCT) a partir do óleo de coco. A Dra. Mary Newport (http://www.coconutketones.com/ e http://www.coconutketones.com/WhatIfCure.pdf) demonstrou que os cetoácidos formados a partir de MCT podem ser utilizados pelo cérebro como combustível alternativo na DA.

Outras medidas úteis

A niacinamida funciona melhor quando se fornecem também outras vitaminas do grupo B em doses menores, como por exemplo tomar um complexo B com a maioria das refeições. Além disso, a vitamina B12 é especialmente útil. Nos estudos sobre a DA, a vitamina B12 tem sido frequentemente testada em conjunto com o ácido fólico e a vitamina B6.

Estas vitaminas B controlam os níveis do aminoácido homocisteína no sangue. A homocisteína forma-se durante a conversão do aminoácido metionina no aminoácido funcional cisteína. Quando há deficiência destas vitaminas, acumulam-se níveis elevados de homocisteína que estão associados ao risco acrescido de DA. A administração de suplementos destas vitaminas pode reduzir para metade a velocidade de encolhimento cerebral nos idosos com problemas ligeiros de memória. Aqueles que tinham a velocidade de encolhimento mais lenta obtiveram melhores resultados nos testes cognitivos. (17)

No entanto, a vitamina B12 é mal absorvida, especialmente pelos idosos. Quem não quiser apanhar regularmente injecções de B12 pode mastigar um comprimido e mantê-lo debaixo da língua o máximo de tempo possível, ou dissolvê-lo numa pequena quantidade de água morna de forma a fazer uma pasta e friccioná-la dentro das narinas para ser absorvida. Se isto for feito diariamente, só é necessário utilizar uma pequena quantidade. Melhor do que o ácido fólico dos comprimidos é o folato das folhas verdes ou os respectivos sumos.

Outras vitaminas e minerais benéficos são quantidades elevadas das vitaminas C, D (luz do sol) e E (natural), magnésio, zinco, iodo e selénio. A lecitina, o gingko biloba e a curcuma são benéficos para o cérebro e para o fígado, enquanto a cafeína estimula a actividade cerebral. Num suplemento recente do Journal of Alzheimer's Disease referia-se que o consumo de quantidades moderadas de cafeína abrandava o declínio cognitivo associado ao envelhecimento, assim como a incidência de DA (18).

A acetil-L-carnitina ou ALCAR (experimentar 1 a 2 g/dia) aumenta a produção de energia fornecendo ácidos gordos às mitocôndrias e melhora a saúde das mesmas ajudando a eliminar os resíduos gordos. Aumenta também a produção do importante neurotransmissor acetilcolina. Antes de os doentes com Alzheimer sentirem falta de memória, os neurónios do cérebro já foram danificados durante muitos anos devido ao facto de as suas mitocôndrias estarem congestionadas com resíduos de proteínas e de gordura (19).

O ácido gordo ómega-3 DHA (ácido docosa-hexaenóico) é o ácido gordo mais abundante no cérebro. As pessoas com danos hepáticos (como os resultantes do paracetamol) perderam a capacidade de o sintetizar a partir do ácido alfa-linolénico que é mais frequente. Por conseguinte, os suplementos de DHA tendem a ser benéficos, mas é necessário administrá-los juntamente com vitamina E protectora uma vez que o DHA oxidado pode danificar o cérebro.

Outros estudos revelam que uma dose baixa de um certo canabinóide, um componente da marijuana, inverteu a perda de memória em ratos mais velhos. Esses ratos velhos obtiveram melhores resultados nos testes de memória e apresentaram menos células cerebrais mortas. Descobriu-se também que as pessoas que fumaram regularmente marijuana nos anos 60 e 70 raramente desenvolvem a doença de Alzheimer. Estudos de investigação anteriores (2006) revelaram que o THC, o ingrediente activo da marijuana, pode abrandar a formação de "placas de Alzheimer" no cérebro mais do que quaisquer medicamentos comerciais. O THC também bloqueia os agregados de proteína que inibem a memória e a cognição nos doentes com DA. (20) Estes efeitos benéficos dos canabinóides podem ser significativos uma vez que se demonstrou que o paracetamol actua bloqueando os nossos canabinóides internos no cérebro.

Para melhorar o fornecimento de sangue ao cérebro, é benéfico deitarmo-nos com frequência durante períodos prolongados com a cabeça mais baixa do que o coração, como por exemplo sobre uma tábua inclinada ou levantando os pés da cama com tijolos.

A verdadeira cura

A investigação médica mostra claramente que um dos principais factores do desenvolvimento da DA são as grandes quantidades de proteínas anormais depositadas nos neurónios e noutras zonas do cérebro. Além disso, há também resíduos lipídicos oxidados e metais tóxicos. Não há dúvida que estas acumulações de resíduos mais ou menos tóxicos vão limitar imenso o fornecimento de nutrientes, a remoção de resíduos e a produção de energia nas zonas afectadas do cérebro.

Enquanto a medicina convencional continua à procura de tecnologias e medicamentos novos e melhores, para a medicina natural este é um problema normal com uma solução há muito tempo comprovada. Essencialmente, todas as doenças degenerativas crónicas revelam o mesmo quadro de produtos residuais metabólicos e tóxicos acumulados que obstruem o funcionamento normal das células e dos órgãos. A principal diferença entre a variedade de doenças reside no órgão ou na parte do corpo que é mais afectado e na forma como as funções do organismo são afectadas.

O processo pelo qual as células se degradam e reciclam materiais gerando aminoácidos que podem ser reutilizados tem a designação de autofagia. É um componente essencial da sobrevivência e da defesa das células contra os organismos invasores. Mesmo os investigadores convencionais percebem que a remoção dos resíduos é a cura potencial e que a restrição calórica incentiva a autofagia, mas é mais lucrativo procurar medicamentos ou soluções tecnológicas para o fazerem (21).

Se as células afectadas conseguissem decompor as placas obstrutivas, as hipóteses de recuperar da DA aumentariam muito. Segundo explicou um investigador: "Embora ainda não compreendamos completamente como é que estas doenças se desenvolvem, sabemos que as proteínas se agregam e formam uma acumulação de placas nos neurónios dos doentes afectados. Se conseguíssemos orientar a capacidade da própria célula para decompor os produtos residuais contra as placas, podíamos impedir a sua formação e eventualmente interceptar o desenvolvimento destas e de outras doenças". (22).

Além disso, a maioria das doenças crónicas e autoimunes estão associadas à presença de micróbios pleomórficos ou de parede celular deficiente, nos tecidos afectados, e há indicações de que o mesmo se passa com a DA. Por exemplo, ao utilizarem experimentalmente um medicamento que está aprovado para a imunodeficiência e para as doenças autoimunes, os investigadores obtiveram resultados muito melhores do que com qualquer outro medicamento aprovado e utilizado para o tratamento da DA (23). Isto revela os potenciais benefícios de tratar a DA como uma doença autoimune. Para uma explicação mais pormenorizada, ver o meu artigo How to Overcome Chronic and Autoimmune Diseases (24).

Embora a purificação seja difícil mesmo para as pessoas determinadas que querem melhorar a sua saúde, ainda o é mais para os doentes com DA e para as pessoas que deles cuidam. No entanto, é a única maneira, e alguns prestadores de cuidados ou mesmo pessoas com sintomas precoces poderão querer tentar. Portanto, aqui fica uma descrição básica de um programa holístico.

Passo 1: Evitar ou minimizar os factores que foram referidos como causadores da doença ou contribuindo para a causar, por exemplo, todas as obturações com amálgamas contendo mercúrio devem ser retiradas, de preferência por um dentista holístico. Reduzir gradualmente todos os medicamentos para o mínimo absoluto, os alimentos devem estar o mais livres possíveis de aditivos ou resíduos químicos.

Passo 2: Introduzir gradualmente vitaminas, minerais e outros remédios referidos como sendo benéficos, especialmente remédios e métodos que melhorem as funções hepáticas e a circulação de sangue para o cérebro. Experimentar 500 mg de niacinamida com cada refeição, eventualmente duplicar a dose. Se a terapêutica com niacinamida for razoavelmente bem sucedida, será muito mais fácil seguir todo o programa.

Passo 3: Monitorizar a acidez da urina e tentar mantê-la próxima do pH 7. Se for quase sempre demasiado ácida, administrar mais agentes de alcalinização, incluindo bicarbonato de sódio (não dar próximo das refeições) e citrato de potássio. Se o organismo estiver demasiado alcalino, pH superior a 7, e a pele insensível a substâncias irritantes como picadas de insectos, administrar mais ácido ascórbico e suplementos de ácido clorídrico com as refeições.

Passo 4: Adoptar gradualmente uma dieta de alta qualidade (25).

Passo 5: Utilizar quelação oral para remover o mercúrio e o alumínio. São necessários compostos de enxofre para desintoxicar o fígado. Se não forem bem tolerados, adicionar um suplemento de molibdénio. Um dos quelantes mais potentes é o ácido alfa-lipóico (também designado por ácido tióctico), que é melhor combinado com extracto de cardo mariano. A chlorella (em pó, parede celular quebrada) impede a reabsorção dos metais expelidos dos intestinos. Igualmente úteis são o MSM, a N-acetilcisteína, o alfa-tocoferol e o ácido ascórbico. Poderá adicionar também outros quelantes do mercúrio obtidos na Internet ou utilizar o Protocolo Klinghardt para a Eliminação de Neurotoxinas (26).

Passo 6: Para reduzir ou eliminar problemas microbianos experimentar uma forma ligeira do Ultimate Cleanse (27) com especial incidência na utilização de alimentos fermentados com ácido láctico, especialmente legumes fermentados como a sauerkraut genuína.

Passo 7: É necessária uma série de limpezas à base de alimentos crus frescos para remover os produtos residuais tóxicos e metabólicos do cérebro. Esta é a parte mais difícil e tem de ser feita suavemente, aumentando gradualmente de intensidade. Quando não se come o suficiente, o organismo começa a processar, digerir e eliminar os seus produtos residuais mas só se tiver vitalidade suficiente, a qual se consegue obter da melhor forma através de sumos frescos de erva de trigo e erva de cevada, assim como de sementes germinadas (feijão mungo, lentilhas). Além disso, são úteis as enzimas que digerem as proteínas, por exemplo, bromelina e papaína (28).

Perspectivas

O ideal seria que os governos incentivassem e apoiassem a criação de sanatórios e health farms (estâncias de recuperação física) para o tratamento holístico de doentes com DA e outras doenças crónicas. Mas, infelizmente, as agências de saúde governamentais estão firmemente ligadas à medicina dos medicamentos e têm um longo historial de supressão da medicina natural. A título de exemplo temos a perseguição dos terapeutas holísticos do cancro (29) e a destruição intencional da Pan Pharmaceuticals na Austrália (30).

É evidente, portanto, que qualquer tentativa para a criação de centros de cura comunitários tem de começar ao nível de base e progredir com muito cuidado. Existe um modelo para estes centros no movimento iniciado por Ann Wigmore na década de 1960 que conduziu à criação dos Hippocrates Health Centers. Nesses centros, os visitantes podiam desintoxicar-se e curar-se através de um programa de alimentos crus à base de sumo fresco de erva de trigo e sementes germinadas. Este movimento incluía os centros urbanos e health farms [quintas da saúde]. Seria óptimo se este movimento ou algo semelhante pudesse ser reavivado e disseminado pelo mundo inteiro.


REFERÊNCIAS

(1) http://en.wikipedia.org/wiki/Paracetamol - on this page you find references for the mentioned statements

(2) http://www.pkdiet.com/pdf/pkdpain/australia78.pdf

(3) http://linkinghub.elsevier.com/retrieve/...3671925761

(4) http://www.health-science-spirit.com/phenergan.html

(5) http://www.lycaeum.org/research/research...ones_1.pdf

(6) http://www.commonsenseincancer.co.uk/ima...heimer.pdf with references for the mentioned statements

(7) http://www.mindfully.org/Pesticide/Paraq...insons.htm

(8) http://www.medicalnewstoday.com/articles/200649.php and http://circoutcomes.ahajournals.org/cont...4/395.full

(9) http://www.spacedoc.net/lipitor.htm and http://www.spacedoc.net/alzheimers_statins.htm

(10) http://www.healingcancernaturally.com/al...auses.html

(11) http://www.flcv.com/ms.html

(12) http://www.flcv.com/alzhg.html

(13) http://alzheimers-review.blogspot.com/20...event.html

(14) http://www.doctoryourself.com/hoffer_niacin.html

(15) http://www.sciencedaily.com/releases/201...083646.htm

(16) http://dx.doi.org/10.1016/0304-3940(85)90094-1

(17) http://www.sciencedaily.com/releases/201...213050.htm

(18) http://www.sciencedaily.com/releases/201...111937.htm

(19) http://www.naturalnews.com/015553.html

(20) http://alzheimers-review.blogspot.com/20...ctive.html

(21) http://www.sciencedaily.com/releases/200...144956.htm

(22) http://www.sciencedaily.com/releases/201...140952.htm

(23) http://www.sciencedaily.com/releases/201...170705.htm

(24) http://www.health-science-spirit.com/autoimmune.htm

(25) http://www.health-science-spirit.com/HF2-2.html

(26) http://www.hbci.com/~wenonah/new/9steps.htm

(27) http://www.health-science-spirit.com/ult...eanse.html

(28) http:/www.health-science-spirit.com/HF1-3.html

(29) http://www.health-science-spirit.com/can...ution.html

(30) http://www.theage.com.au/national/pan-fo...-3ve4.html

Walter Last

http://www.health-science-spirit.com/paracetamol.htm

"A árvore da sabedoria não é a da vida". Byron

"Sabemos exatamente a que somos contra...mas não conhecemos quem apoiamos". Rev.
Encontrar todas as respostas deste usuário
Adiciona agradecimento Citar esta mensagem em uma resposta
[-] O(s) seguinte(s) 2 usuários diz(em) obrigado a Revolution pelo seu post:
carlosrb (04-12-2013), Minerim (06-12-2013)
Compre Linhaça Dourada Orgânica pelo Menor Preço na Tudo Saudável!
11-04-2012, 12:35 AM
Resposta: #22
RE: O Veneno Chamado Paracetamol
A questão é os excessos ... tudo que é medicação faz mal, tudo tem efeito colateral e também, cada organismo é um organismo ... O paracetamol não é bom mesmo , pode levar a falência hepática e a dipirona também não é bom para outras coisas ... a melhor solução é nos mantermos saudáveis, com uma alimentação saudável, livre de transgênicos , mantermos o nosso sistema imunológico forte para precisarmos o mínimo possível dessas porcarias chamadas de "remédios"!

O conhecimento nos faz responsáveis. (Che Guevara)

Blog: http://www.averdadenomundo.blogspot.com
twitter : @salugospel
Visitar o website do usuário Encontrar todas as respostas deste usuário
Adiciona agradecimento Citar esta mensagem em uma resposta
16-04-2012, 07:58 PM
Resposta: #23
RE: O Veneno Chamado Paracetamol
Hoje o que não falta é veneno na mesa, na agua, nos remedios, enfim...

"Num tempo de engano universal, dizer a verdade é um ato revolucionário"

Visitar o website do usuário Encontrar todas as respostas deste usuário
Adiciona agradecimento Citar esta mensagem em uma resposta
[-] O(s) seguinte(s) 1 usuário disse obrigado a Sann pelo seu post:
carlosrb (04-12-2013)
16-04-2012, 11:38 PM (Resposta editada pela última vez em: 03-12-2013 08:58 PM por MaDeira.)
Resposta: #24
RE: O Veneno Chamado Paracetamol
Eu sempre acreditei que paracetamol era a única medicação recomendada em caso de suspeita de dengue, fui fazer uma pesquisa e encontrei esse pessoal, as respostas são de um fórum de discussão em 2006
... (yahoo)

Citar:Membros:

GIRL
esse é o medicamento indicado no caso de dengue ou de suspeita..mas sempre é bom consultar um medico
6 anos atrás Denuncie

suneilel...
Tylenol e Paracetamol são a mesma coisa e são os únicos medicamentos recomendados.
6 anos atrás Denuncie

Claudia
Sim, com toda certeza...Só não pode ingerir AAS, de forma alguma.
Mas vc confiaria numa pessoa desconhecida????
Não é melhor procurar ajuda médica???
Tomara que essa pergunta seja mera curiosidade.
6 anos atrás Denuncie

Noelia
sim. pois a fórmula do paracetamol e diferente do aas, dipirona aspirina entre outros. qqr dúvida vá a uma fármacia o farmaceutico tbm sabe.eu sou enfermeira tchaw!!!!!!!
6 anos atrás Denuncie

Camila
Acho que o tylenol ñ tem problema.
6 anos atrás Denuncie

Feliz
Sim, é o mais recomendavel
6 anos atrás Denuncie

eu
eu acho melhor vc procurar a resposta para esta pergunta com um medico
6 anos atrás Denuncie

Falco
Pode tomar Paracetamol sem problemas. Não pode tomar AAS ou Aspirina porque essas drogas alteram a agregação plaquetária, alterando a formação do coágulo. Desta maneira, pode favorecer o desencadeamento da forma hemorrágica da doença, que é a mais grave.
6 anos atrás Denuncie

ingridsy...
pode sim
6 anos atrás Denuncie

Rastejad...
A bula está abaixo, e não diz nada sobre dengue, mas seria bom a confirmação com um médico.
http://bulario.bvs.br/index.php?action=s…
6 anos atrás Denuncie

J
Sim, e deve. Os médicos dizem que só pode tomar o Tylenol, ou Paracetamol, e nunca Novalgina, ou Dipirona.
6 anos atrás
A pergunta no fórum citado acima foi:

Renato R
Pode tomar Paracetamol quando está com suspeita de dengue?
Estou perguntando porque agumas pessoas dizem q num pode pelo mesmo motivo de q num pode tomar AAS.
6 anos atrás

Coitado do Renato R foi enganado, sobre o AAS tbm não conhecia...

Minha opinião é de que não se tome remédio algum em caso de suspeita de dengue, indo além, não se tome droga alguma, somente em casos que sejam devidamente julgados necessários.

Pense: Você julga necessário? Sente-se plenamente capaz de justificar esse ato? Creio ser o suficiente do ponto de vista mais prático!

``Todos tem uma lição de vida única, nelas, os erros aperfeiçoam as decisões.

Os curiosos buscam o mundo sem medo, mas nele os espertos espreitam nossas fraquezas.

Seja forte e conhecedor, desvie-se dos espertos em seu caminho.´´

MaDeira
Encontrar todas as respostas deste usuário
Adiciona agradecimento Citar esta mensagem em uma resposta
15-08-2012, 10:54 PM
Resposta: #25
RE: O Veneno Chamado Paracetamol
As vezes antes de ingerimos medicamentos, melhor preguntar se realmente é necessário. Ou se algum remédio com ervas pode trazer efeito positivos. Mas se realmente tivermos que ingerir estes alopáticos que seja o menos possível assim creio.
Encontrar todas as respostas deste usuário
Adiciona agradecimento Citar esta mensagem em uma resposta
16-08-2012, 10:42 AM
Resposta: #26
RE: O Veneno Chamado Paracetamol
Ta bom pessoal, mas e o tal do Ibuprofeno ?
Não foi falado aí que entre Dipirona e Paracetamol, fique com o
Ibuprofeno ? Não vi o pessoal falando mais sobre isso...
É bom mesmo usar? Pergunto por que tenho uma criança de colo
em casa, e estava utilizando paracetamol para os casos de dor ou/e febre
dele. E pra mim tambem, meu fígado é estourado hehehehe, e vivia tomando
paracetamol.

"O problema com o mundo é que as pessoas inteligentes estão cheias de dúvidas, enquanto os estúpidos estão cheios de confiança"
Charles Bukowski
Encontrar todas as respostas deste usuário
Adiciona agradecimento Citar esta mensagem em uma resposta
16-08-2012, 02:30 PM
Resposta: #27
RE: O Veneno Chamado Paracetamol
(15-08-2012 10:54 PM)enxergando Escreveu:  As vezes antes de ingerimos medicamentos, melhor preguntar se realmente é necessário. Ou se algum remédio com ervas pode trazer efeito positivos. Mas se realmente tivermos que ingerir estes alopáticos que seja o menos possível assim creio.

Muito bem colocadas essas palavras. Hoje em dia ninguém toma um chá se estiver ruim do estomago por exemplo, vai direto para os medicamentos. Existem muitas opções naturais porém ninguém mais sabe de nada e nem recebe informação.
Eu raramente tomo alguma coisa para dor de cabeça mas conheço gente que toma bastante paracetamol e tem problema no fígado... vou alertá-los.

Vou até ler a bula para saber se existe algum alerta sobre ingerir junto com álcool...
Encontrar todas as respostas deste usuário
Adiciona agradecimento Citar esta mensagem em uma resposta
Compre Cúrcuma em Pó na Tudo Saudável
16-08-2012, 10:36 PM
Resposta: #28
RE: O Veneno Chamado Paracetamol
Tudo que o mainstream diz que é bom, pode-se desconfiar, normalmente mata ou incapacita....rsrsrs

Porque tu, ó SENHOR, és o meu refúgio. No Altíssimo fizeste a tua habitação.
Nenhum mal te sucederá, nem praga alguma chegará à tua tenda.
Porque aos seus anjos dará ordem a teu respeito, para te guardarem em todos os teus caminhos.
Salmos 91:9-11
Encontrar todas as respostas deste usuário
Adiciona agradecimento Citar esta mensagem em uma resposta
[-] O(s) seguinte(s) 2 usuários diz(em) obrigado a rr81 pelo seu post:
Giselle Sievers (28-04-2013), Ultraviolet (03-12-2013)
18-08-2012, 02:20 AM
Resposta: #29
RE: O Veneno Chamado Paracetamol
Médico explica os riscos do paracetamol e diz que não sabe por que remédio continua no mercado
Pesquisa divulgada pela revista científica New Scientist alerta sobre os riscos que o paracetamol traz para a saúde depois que foi divulgado que o analgésico se tornou a principal causa de insuficiência hepática nos Estados Unidos. O estudo mostra que a proporção de problemas no fígado causados pelo medicamento chegou a 51% do total em 2003. Em 1998, esta proporção era de 28%.

Os cientistas americanos responsáveis pelo estudo chegaram à conclusão de que 20 comprimidos de paracetamol por dia são suficientes para causar insuficiência hepática e levar à morte - a dose máxima recomendada é de oito.

Em entrevista ao UOL News, o toxicologista Anthony Wong, do Centro de Assistência Toxicológica do Hospital das Clínicas, deu uma aula sobre o que se deve e o que não se deve fazer no uso do paracetamol, admitiu não saber por que o remédio ainda continua no mercado e explicou que a dosagem perigosa varia de pessoa para pessoa.

"A quantidade de comprimidos é altamente variável. Só aqui no Brasil tem comprimido de 750mg. Na Inglaterra só tem de 500mg e de 360mg. Nos Estados Unidos existem comprimidos de até 1g, mas isso ainda é muito restrito. Nos Estados Unidos, inclusive, já há restrições, com advertência de caixa preta, para que as pessoas não tomem paracetamol com bebida alcoólica. Se tomar mais de 3 doses de bebida alcoólica não pode tomar paracetamol."

Ainda sobre a dosagem, lembrou: "20 comprimidos é uma dose média, mas há pessoas que já tiveram falência hepática tomando 8 comprimidos de 500mg, que dá 4g. É importante salientar que a máxima diária são 4g de paracetamol, desde que não tenha álcool, problema hepático ou o paciente não esteja tomando um outro remédio."

Nada de paracetamol na ressaca
Ele contou que a velha prática de tomar um comprimido com paracetamol em dias de ressaca para combater a dor de cabeça deve ser completamente abolida da vida das pessoas. "É uma boa advertência para essa época de natal e ano novo. Não se pode tomar um porre e depois tomar paracetamol, pois pode causar lesão hepática fulminante mesmo em doses menores do que 20 comprimidos. Também não pode tomar aspirina, porque ela aumenta o sangramento gástrico."

Para Anthony Wong, a pesquisa vem numa boa hora. "É importante e muito bem-vindo o alerta, porque os americanos e principalmente os brasileiros tomam remédios como se fossem 'M&Ms'. Não pode." Ele contou que nos Estados Unidos, além da morte causada por falência hepática, o paracetamol é a principal causa de morte por intoxicação de todos os remédios que existem no país."

"Então por quer ainda está no mercado?", perguntou a jornalista. "Nos Estados Unidos tem um forte trabalho de marketing em cima do FDA. Já na Europa há muitas restrições. Na Inglaterra, por exemplo, só se pode comprar uma caixa por mês."

Segundo o médico, febre muito alta, jejum prolongado ou vômito prolongado em crianças ou adultos são muito perigosos. "Isso esfolia a pessoa de radicais que são necessários para neutralizar o paracetamol."

O efeito no fígado
Segundo o médico, o efeito do paracetamol no fígado é tardio. "Depois de 12 horas a pessoa começa a sentir náuseas. Depois de 24 horas começa a ter dor de cabeça muito forte por causa da lesão do fígado. E aí não adianta dar nada, porque o antídoto só funciona, na melhor das hipóteses, antes de 24 horas. Depois disso é muito tarde."

Ele contou que há 3 anos saiu na Pediatrics um estudo alertando para esse efeito, dizendo que uma criança que tomou paracetamol e está vomitando poderia estar com overdose de paracetamol. "E tanto é verdade que muitos centros já aplicam um antídoto quando uma criança que tomou paracetamol é atendida e a mãe não sabe dizer qual foi a dose. Depois fazem a dosagem. Se for baixa, suspendem o antídoto."

O paracetamol e a febre
Anthony Wong lembrou que vários antigripais contêm paracetamol. Lillian pediu para o médico citar alguns nomes-fantasia para que as pessoas pudessem saber de que remédio estão falando. Citou como alguns exemplos Tylenol, Naldecon, Cheracap, Cedrin e Dimetap. "Quase todos os antigripais têm paracetamol e muito facilmente causam overdose."

O especialista explicou que não se deve nunca começar um tratamento de gripe com aspirina. "Motivo: existe uma doença chamada Síndrome de Reye, que causa a destruição fulminante do fígado se a pessoa tomar aspirina e tiver propensão genética de destruição maciça no fígado." Ele contou que essa advertência sobre o uso da aspirina foi feita no fim da década de 70, começo da década de 80.

"Quando saiu essa advertência, a incidência de Reye nos Estados Unidos era mais ou menos de mil casos por ano. Praticamente 95% das pessoas morriam. No Brasil não era muito menor. Depois da advertência, o número de casos caiu para 25 ao ano. Isso demonstra que existe uma associação causal com uso da aspirina."

Alternativas
O médico deu algumas alternativas ao paracetamol. "Tenho uma certa preferência pela dipirona (novalgina), mas o ibuprofeno (advil para adulto e alivium para criança), que está entrando agora no mercado, é bastante seguro." Wong lembrou que nem a aspirina nem o paracetamol podem ser ingeridos em casos de dengue. O primeiro porque causa sangramento e o segundo porque ataca o fígado.

Sobre reação anafilática, Wong explicou que independe do medicamento. "Pode acontecer com qualquer remédio, desde dipirona, pinicilina (o mais comum de causar alergia), ácido acetilsalicílico, até picada de abelha. A dica é: evite ao máximo tomar remédio. Se precisar, tome com cautela, com cuidado, mesmo que seja a 1/10 de vez que estiver tomando aquele remédio."

O paracetamol e a estatina
A jornalista Lillian Witte Fibe perguntou a ele se é perigoso misturar o paracetamol com a estatina, que é usada para o controle do colesterol. "Ainda não foi demonstrada uma associação entre os dois. Parece que atuam em lugares diferentes dentro da célula hepática. Sabemos que alguns antibióticos, como a rifampicina, usada para tuberculose, e também alguns antibióticos da linha do cipro podem se associar ao paracetamol e provocar uma lesão de fígado."

http://nosdiasdenoe.blogspot.com.br/2012...mesmo.html
Encontrar todas as respostas deste usuário
Adiciona agradecimento Citar esta mensagem em uma resposta
[-] O(s) seguinte(s) 3 usuários diz(em) obrigado a Lombritico pelo seu post:
Alimah (04-12-2013), Giselle Sievers (28-04-2013), Ultraviolet (03-12-2013)
11-10-2012, 12:48 AM
Resposta: #30
Photo RE: O VENENO CHAMADO PARACETAMOL
[/size][/font]Excelente esta informação, devemos alertar ao máximo de pessoas, pois somente em massa conseguiremos dar uma resposta a NOM, não podemos ficar parados, pois somos a maioria e eles a minoria tentando o tempo todo nos intimidar através do medo e da mídia, vamos lutar por nossos direitos, Unidos temos força.
Encontrar todas as respostas deste usuário
Adiciona agradecimento Citar esta mensagem em uma resposta
O Melhor em Suplementos Esportivos Você encontra na Tudo Saudável
Responder 


Tópicos Similares
Tópico: Autor Respostas Visualizações: Última Resposta
Exclamation 7 motivos pelos quais a pílula anticoncepcional é um veneno para o corpo feminino Mediador 10 39,959 24-05-2017 08:38 AM
Última Resposta: andremaria
  [Estudo] Paracetamol é um dos Maiores Causadores de Lesões no Fígado admin 0 5,841 30-03-2015 07:02 PM
Última Resposta: admin
  [Estudo] Polêmica: Paracetamol não Tem Efeito Sobre Dor nas Costas Popeye 1 1,818 17-03-2015 05:05 AM
Última Resposta: admin

Ir ao Fórum:


Usuários visualizando este tópico: 1 Visitantes
Tópicos relacionados...

Entre em Contato | Fórum Notícias Naturais | Voltar ao Topo | Voltar ao Conteúdo | Modo Leve (Arquivo) | Feeds RSS | Site Notícias Naturais | Loja Tudo Saudável
Publicidade:
Loja Tudo Saudável


Recomende o Fórum


Dossiê Vacina HPV
Registro de Efeitos Adversos das Vacinas Site Notícias Naturais

Pesquisar

(Pesquisa Avançada)

Olá, Visitante
Olá Visitante!
Para participar do fórum, é necessário se Registrar.



  

Senha
  





Usuários Online
Existem no momento 33 usuários online.
» 0 Membros | 33 Visitantes

Estatísticas do Fórum
» Membros: 16,379
» Último Membro: bolgaunry685
» Tópicos do Fórum: 2,970
» Respostas do Fórum: 16,474

Estatísticas Completas

Tópicos Recentes
Açúcar, a droga do século
Última Resposta Por: Bruna T
21-10-2017 02:13 PM
» Respostas: 0
» Visualizações: 133
12 Sinais de que Você está Comendo Muito Açúcar
Última Resposta Por: Bruna T
21-10-2017 02:05 PM
» Respostas: 0
» Visualizações: 51
Remédio milagroso para curar artrite e dor nas articulações
Última Resposta Por: Storyvv
20-10-2017 03:43 PM
» Respostas: 1
» Visualizações: 111
Os 10 Melhores Remédios Naturais Para Dores nas Articulações
Última Resposta Por: Bruna T
20-10-2017 02:04 PM
» Respostas: 0
» Visualizações: 77
Remédio caseiro para inflamação das articulações
Última Resposta Por: Bruna T
20-10-2017 01:56 PM
» Respostas: 0
» Visualizações: 52
Remédios eficazes para as dores nas articulações
Última Resposta Por: Bruna T
20-10-2017 01:52 PM
» Respostas: 0
» Visualizações: 64
Ter filhos, ou nao?
Última Resposta Por: Julio
19-10-2017 02:23 PM
» Respostas: 85
» Visualizações: 27089
Os 21 Benefícios da Cebola Para Saúde
Última Resposta Por: LauraCorreia
16-10-2017 01:46 PM
» Respostas: 1
» Visualizações: 449
Chá de cebola: Propriedades e como fazer esta infusão
Última Resposta Por: Bruna T
14-10-2017 10:44 AM
» Respostas: 0
» Visualizações: 335
Ajuda Financeira - Motivo Doença
Última Resposta Por: Supermoderador
13-10-2017 08:47 AM
» Respostas: 51
» Visualizações: 3328
Acupuntura funciona mesmo ?
Última Resposta Por: lopesmivi
13-10-2017 08:44 AM
» Respostas: 4
» Visualizações: 2787
Benefícios da farinha de maracujá
Última Resposta Por: LauraCorreia
10-10-2017 08:36 AM
» Respostas: 1
» Visualizações: 445
Palestras completas raríssimas - Dr. Lair Ribeiro (mais de 50 dvds)
Última Resposta Por: Bruna T
10-10-2017 02:08 AM
» Respostas: 50
» Visualizações: 121226
Pão de queijo light
Última Resposta Por: Memoria
06-10-2017 05:50 PM
» Respostas: 4
» Visualizações: 350
Risco de Autismo é 420% Maior em Crianças Vacinadas versus Crianças Não Vacinadas
Última Resposta Por: Jahaisa
24-09-2017 11:04 PM
» Respostas: 0
» Visualizações: 265
Substâncias Presentes na Canela Afetam as Células do Câncer de Mama
Última Resposta Por: Jahaisa
24-09-2017 10:54 PM
» Respostas: 0
» Visualizações: 183
[Estudo] Dietas com Baixo Teor de Gordura Saturada Demonstraram ser Mortais
Última Resposta Por: Jahaisa
24-09-2017 10:44 PM
» Respostas: 0
» Visualizações: 130
Produtos de Limpeza Domésticos Podem Causar Maior Risco de Doença Pulmonar
Última Resposta Por: Jahaisa
24-09-2017 10:37 PM
» Respostas: 0
» Visualizações: 86
Antidepressivos Estão Matando as Pessoas: Risco de Morte Precoce Aumentou 33%
Última Resposta Por: Jahaisa
24-09-2017 09:44 PM
» Respostas: 0
» Visualizações: 130
Cientista da EPA Adverte que o Glifosato Elimina os Minerais dos Alimentos
Última Resposta Por: Jahaisa
23-09-2017 07:44 PM
» Respostas: 0
» Visualizações: 154
‘Medicamentos que Curam não são Rentáveis e, Portanto, não são Desenvolvidos’
Última Resposta Por: Jahaisa
23-09-2017 07:33 PM
» Respostas: 0
» Visualizações: 7331
Alimente seu Pet com uma Colher de Sopa de Óleo de Coco Orgânico
Última Resposta Por: Jahaisa
23-09-2017 07:26 PM
» Respostas: 0
» Visualizações: 59
Maca Peruana: Possui Compostos Anticâncer, Aumenta a Libido e Combate a Depressão
Última Resposta Por: Jahaisa
23-09-2017 07:19 PM
» Respostas: 0
» Visualizações: 83
[Estudo] Pressão Arterial Pode ser Reduzida em Apenas um Mês com Magnésio
Última Resposta Por: pequeno gafanhoto
23-09-2017 09:48 AM
» Respostas: 1
» Visualizações: 158
Como Escolher Frutas, Legumes e Verduras
Última Resposta Por: Ferramentas
22-09-2017 06:06 PM
» Respostas: 1
» Visualizações: 621
Por que a Indústria do Câncer NÃO Quer que Você Conheça os Alimentos Anticancerígenos
Última Resposta Por: Jahaisa
22-09-2017 12:46 AM
» Respostas: 0
» Visualizações: 129
Escândalo Médico: Quimioterapia Demonstra Espalhar o Câncer em Novo Estudo
Última Resposta Por: Jahaisa
19-09-2017 09:30 PM
» Respostas: 0
» Visualizações: 226
Cardiologista Responde ao Ataque Ignorante ao Óleo de Coco
Última Resposta Por: Jahaisa
19-09-2017 08:30 PM
» Respostas: 0
» Visualizações: 146
Saúde da mulher - Os cuidados para cada fase da vida
Última Resposta Por: Bruna T
09-09-2017 06:30 PM
» Respostas: 0
» Visualizações: 213
30 dicas de saúde para mulheres
Última Resposta Por: Bruna T
09-09-2017 06:18 PM
» Respostas: 0
» Visualizações: 110

Lista completa de tópicos

Divulgue o fórum em seu site!