Aromaterapia você encontra pelo menor preço na Tudo Saudável



Responder 
 
Avaliação do Tópico:
  • 1 Votos - 5 Média
  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5
Emagrecedores vetados pela Anvisa e liberados pelo Congresso trazem riscos e dividem
08-08-2017, 05:37 PM
Resposta: #1
Emagrecedores vetados pela Anvisa e liberados pelo Congresso trazem riscos e dividem
[Imagem: _97119325_gettyimages-509557632.jpg]

Liberação de emagrecedores opõe Congresso Nacional e Anvisa

Três substâncias, duas opiniões distintas. Feitos à base de anfetaminas, os emagrecedores anfepramona, femproporex e mazindol viraram tema de intenso debate após o Congresso liberar seu uso no Brasil, sob o apoio das sociedades médicas, embora a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) siga afirmando que os riscos à saúde são maiores que os benefícios.

Os medicamentos, conhecidos como anorexígenos, atuam no sistema nervoso central para gerar aversão a comida e inibir o apetite e, por isso, são utilizados em tratamentos para perda de peso. Em 2011, eles foram vetados após análise da Anvisa, órgão ligado ao Ministério da Saúde, mas uma nova lei aprovada pelos parlamentares e sancionada pela Presidência da República no mês passado retirou essa trava.

A volta dos remédios divide opiniões. De acordo com a agência reguladora, os medicamentos trazem riscos a pessoas com predisposições a doenças cardíacas e psiquiátricas, e seus benefícios contra a obesidade são limitados. Pelos mesmos motivos, as substâncias também foram proibidas nos Estados Unidos e na Europa, com exceção da anfepramona, comercializada no mercado americano.

“Quando a Anvisa fez essa avaliação, em 2011, ficou comprovado que os efeitos adversos eram perigosos, que as pessoas ficavam dependentes, que havia riscos para os sistemas cardiovascular e neurológico e que os benefícios eram limitados. A perda de peso, por exemplo, não era consistente”, afirma à BBC Brasil o médico Jarbas Barbosa, diretor-presidente da Anvisa.

“O que encontramos foi que esses medicamentos trazem riscos graves e resultados inexpressivos”, acrescenta.

Mas entidades como o Conselho Federal de Medicina (CFM), a Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia (SBEM) e a Associação Brasileira para o Estudo da Obesidade (Abeso) comemoram o retorno dos medicamentos ao país.

[Imagem: _97106000_fotomateriaemagrecedores-artur...mons-1.jpg]

Alimentação saudável e exercícios físicos devem ser a base dos programas de emagrecimento, afirmam médicos

“Se há grupo de medicamentos com consenso entre sociedades médicas (sobre seu uso) e dispensado (liberado) em outros países, acreditamos que é direito do médico brasileiro ter esses medicamentos em seu arsenal contra a obesidade, mesmo com as limitações dessas substâncias”, defende Fábio Trujilho, presidente da SBEM.

Apesar de celebrar a liberação, as entidades alertam que de fato há riscos associados aos remédios e que, por isso, precisam ser usados em casos específicos e por curtos períodos de tempo, uma vez que podem causar dependência química.

“É um medicamento para usar no paciente obeso – não para quem quer perder dois ou três quilos”, ressalta Trujilho. “Essas substâncias não podem ser receitadas para pacientes que consumam outros remédios, e o tratamento não pode ultrapassar três meses”, explica.

Fabricar ou não fabricar

Em meio à polêmica, a indústria farmacêutica afirma ter recebido com preocupação a volta dos emagrecedores.

“É algo que enfraquece a posição da Anvisa, que deveria ser a única responsável pela liberação de produtos farmacêuticos”, diz Nelson Mussolini, presidente-executivo do Sindicato da Indústria de Produtos Farmacêuticos no Estado de São Paulo (Sindusfarma).

“Passaram as anfetaminas, e podem agora passar quaisquer produtos.”

Mesmo com a nova lei, avalia Mussolini, a indústria farmacêutica não deve voltar a produzir os inibidores, já que não será possível registrá-los na Anvisa. Por isso, diz, esse mercado não irá mudar no curto-prazo. “Sabemos que em vários países esses produtos foram contestados pela sua falta de segurança e de eficácia. Então não enxergamos que a indústria nacional vá fabricar esses medicamentos.”

Para ele, as farmácias de manipulação devem absorver esse mercado, como já faziam no passado. Mas restam dúvidas sobre a origem da matéria-prima que devem utilizar, que precisará ser importada. Com as substâncias banidas em mercados desenvolvidos, os produtos podem vir de países com pouca regulação sanitária.

Até 2011, os remédios consumidos no país que incluíam esses inibidores de apetite eram produzidos principalmente por empresas brasileiras, como Aché Laboratórios (Dualid S e Desobesi-M), Medley (Inibex S e Absten S) e Libbs Farmacêutica (Fagolipo). Mas após o veto da Anvisa, as empresas abandonaram esse mercado e se voltaram para classes de remédios contra a obesidade aprovadas pela agência – porém mais caras.

Produtos como o Saxenda, da dinamarquesa Novo Nordisk S/A, são utilizados no tratamento da obesidade e liberados no Brasil. O medicamento dá sensação de saciedade maior, mas sem os efeitos colaterais das anfetaminas – em seu caso, eles podem ser outros, como desidratação e pancreatite aguda.

O problema, argumenta Trujilho, é seu custo mensal: em torno de R$ 700, contra os até R$ 60 dos inibidores de apetite à base de anfetaminas. “Torna o acesso mais difícil”, diz.

[Imagem: _97119329_gettyimages-646346068.jpg]

Inibidores de apetite aumentam a pressão arterial

Efeitos colaterais

A anfepramona, o femproporex e o mazindol são drogas anfetamínicas, produtos sintéticos que estimulam a atividade do sistema nervoso central e, por isso, afetam o comportamento do paciente de diferentes maneiras.

Além de causar perda de apetite, elas causam insônia e dão maior sensação de energia. Ao liberar neurotransmissores que aceleram o metabolismo, as substâncias aumentam a pressão arterial e a frequência cardíaca. Nesse processo, a pessoa queima mais calorias e, dessa maneira, perde peso.

Porém, essas substâncias trazem efeitos colaterais graves, principalmente em pessoas com predisposição a transtornos psiquiátricos.

“Essas drogas têm ação sobre neurotransmissores como a dopamina, a noradrenalina e a serotonina, além de outros. Seus mecanismos de ação atuam em mecanismos comuns aos que estão presentes em quadros como psicoses, esquizofrenia, depressão e pânico”, afirma Táki Athanássios Cordás, psiquiatra e coordenador do programa de transtornos alimentares do Instituto de Psiquiatria do Hospital das Clínicas, em São Paulo.

Cordás, que foi um dos que colaboraram com o parecer da Anvisa de 2011, diz que é comum pacientes apresentarem quadros psicóticos desencadeados pelos inibidores de apetite, que foram para o mercado negro após a proibição.

“Tenho vários casos de pacientes que passaram a tomar essas drogas e apresentam quadros paranóides, de perseguição, quadros depressivos.”

O principal risco, afirma, é que a maioria da população desconhece sua predisposição a ter enfermidades psiquiátricas – e o uso das substâncias para emagrecimento pode ter efeitos inesperados e “acordar” outras doenças. “O endocrinologista não será o profissional que irá ver as consequências em seu consultório. Os efeitos serão sentidos pelos psiquiatras e cardiologistas.”

“É uma medicação que pode aumentar tendências suicidas”, acrescenta a endocrinologista Renata Sacramento, do Hospital São Vicente de Paulo, no Rio de Janeiro. “Alguns pacientes dizem que se sentem horríveis. Para alguns, funciona, mas é a minoria”, afirma.

[Imagem: _97119370_b21b0433-b4a1-479d-89cc-24d5666368a4.jpg]

Para sociedades médicas, medicamentos podem ajudar pessoas obesas que não tenham contraindicações

Indicações

Entidades médicas favoráveis ao uso dos anorexígenos ressaltam que eles só devem ser usados em casos restritos – em geral, pacientes obesos e que não tenham contraindicações, como predisposição a doenças cardíacas e psiquiátricas.

De acordo com o Ministério da Saúde, obesos são aqueles com índice de massa corpórea (IMC) acima de 30 kg/m². Outro público-alvo seriam pessoas com sobrepeso e sob o risco de desenvolver doenças graves, como o diabetes.

Para esses especialistas, o uso dos remédios para emagrecer auxilia na redução dos efeitos nocivos da obesidade, que atinge uma porção cada vez maior da população. De acordo com dados do Ministério da Saúde divulgados em 2015, 57% dos brasileiros estão acima do peso – em 2003, eram 42%.

“A obesidade não pode ser vista como má vontade do paciente. Precisa ser vista como doença que precisa de remédios em determinados momentos”, diz Trujilho, da Sociedade Brasileira de Endocrinologia.

“É importante que o paciente obeso volte a ter essas opções de tratamento”, avalia Salomão Rodrigues Filho, psiquiatra e conselheiro do Conselho Federal de Medicina, entidade que lamenta a proibição das substâncias pela Anvisa. Para a organização, cabe ao médico prescrever o medicamento com segurança, respeitando as restrições de indicação.

“Pacientes obesos têm possibilidade muito maior de desenvolver doenças crônicas como a diabetes tipo 2, hipertensão arterial, o que vai facilitar possibilidades de infarto e de acidentes vasculares cerebrais. Essas são substâncias para evitar esses problemas”, diz.

Ambos os profissionais ressaltam que as substâncias precisam ter receita controlada e que médico e paciente devem assinar um termo de responsabilidade, para que estejam cientes dos riscos associados aos medicamentos.

‘Resistência’ ao emagrecimento

Um dos argumentos utilizados pela Anvisa para proibir as anfetaminas emagrecedoras foi que os benefícios eram poucos se comparados aos riscos que esses medicamentos apresentavam. Estudo do órgão regulador na época apontou que as substâncias garantiam perda de peso apenas no curto prazo – ou seja, após o tratamento os pacientes voltavam a engordar.

De acordo com a endocrinologista Renata Sacramento, existe de fato um “efeito rebote” – ou seja, o paciente perde peso, mas depois passa a ter mais do que tinha antes. “Tenho pacientes que já tomaram e emagreceram, mas depois ganharam o triplo e não conseguiram perder mais.”

A médica diz que a perda de peso fica ainda mais difícil após esse efeito. “O corpo cria uma espécie de ‘resistência’ ao emagrecimento”, explica.

Médicos relatam ainda casos em que a suspensão do remédio leva a um comportamento de compulsão alimentar e a piora do quadro de obesidade anterior.

“Você está levando gente doente a consumir uma droga que vai deixá-los ainda mais doentes”, afirma Cordás. “Mesmo se houvesse benefício marginal, o risco sobrepuja muito o benefício possível.”

[Imagem: _97119372_gettyimages-509483224.jpg]

Para representante da indústria, farmácias de manipulação devem assumir mercado dos inibidores de apetite

Mudança de hábito

Apesar de divergirem dos riscos e benefícios das substâncias, os especialistas concordam que aqueles que precisam emagrecer não poderão escapar da reeducação alimentar e da mudança de hábitos, como a prática de atividades físicas. Essas medidas levam mais tempo, mas garantem um quadro de emagrecimento saudável e sustentável para o paciente.

“Como tudo na vida, perder peso é difícil. Precisa mudar a alimentação, não fumar, fazer atividade física. O problema é que quando chega um remédio, as pessoas pulam etapas e não querem fazer a parte mais importante”, avalia Sacramento.

Trujilho, da SBEM, diz que as substâncias devem ser usadas apenas no início do tratamento para ajudar o paciente a incorporar uma dieta regrada, e que a reeducação alimentar é necessária.

“É preciso usar o medicamento por determinado período, para auxiliar o organismo a se adaptar a um novo comportamento.”

A melhor maneira de enxergar a medicação é como parte de um tripé que possui outros elementos também essenciais num programa de emagrecimento, avalia Sacramento. Às vezes, diz a médica, o paciente já chega ao consultório com a ideia fixa de que precisa de um medicamento – e cabe ao médico educá-lo e deixar claro que não há efeito imediato sem consequências graves.

“O remédio nunca será a base da pirâmide”, explica. “A base é reeducação alimentar e exercício físico.”


Via: Blog Parabólica Brasil

Fonte: BBC Brasil

Blog Parabólica Brasil
Encontrar todas as respostas deste usuário
Adiciona agradecimento Citar esta mensagem em uma resposta
Aqui você encontra as barrinhas da Hart's Natural pelo menor preço
11-08-2017, 04:54 AM
Resposta: #2
RE: Emagrecedores vetados pela Anvisa e liberados pelo Congresso trazem riscos e dividem
Já usei alguns e realmente são perigosos!! Principalmente a sibutramina!

Temos que tomar cuidado.
Visitar o website do usuário Encontrar todas as respostas deste usuário
Adiciona agradecimento Citar esta mensagem em uma resposta
Responder 


Tópicos Similares
Tópico: Autor Respostas Visualizações: Última Resposta
  Anvisa Impede o uso de Vacina NIKKHO-VAC para Asma admin 0 1,711 16-09-2015 08:18 PM
Última Resposta: admin
  Anvisa Suspende Rowatinex para Tratamento de Pedra nos Rins admin 0 14,465 10-06-2015 09:50 PM
Última Resposta: admin
Exclamation Os riscos do uso de Vick VapoRub Mediador 3 4,741 22-12-2014 12:05 PM
Última Resposta: beto
  Riscos Perigosos de 6 Drogas Escondidos para a Indústria Farmacêutica Fazer $$$ admin 0 2,729 02-05-2014 05:35 PM
Última Resposta: admin
  Zohydro – A Nova Droga Zumbi Aprovada Pela FDA Jahaisa 0 1,959 19-04-2014 06:29 AM
Última Resposta: Jahaisa

Ir ao Fórum:


Usuários visualizando este tópico: 1 Visitantes
Tópicos relacionados...

Entre em Contato | Fórum Notícias Naturais | Voltar ao Topo | Voltar ao Conteúdo | Modo Leve (Arquivo) | Feeds RSS | Site Notícias Naturais | Loja Tudo Saudável
Publicidade:
Loja Tudo Saudável


Recomende o Fórum


Dossiê Vacina HPV
Registro de Efeitos Adversos das Vacinas Site Notícias Naturais

Pesquisar

(Pesquisa Avançada)

Olá, Visitante
Olá Visitante!
Para participar do fórum, é necessário se Registrar.



  

Senha
  





Usuários Online
Existem no momento 43 usuários online.
» 0 Membros | 43 Visitantes

Estatísticas do Fórum
» Membros: 15,724
» Último Membro: czeczoe
» Tópicos do Fórum: 2,926
» Respostas do Fórum: 16,352

Estatísticas Completas

Tópicos Recentes
Luz Artificial para plantar orta em dentro de casa
Última Resposta Por: indiegarden
Ontem 07:24 PM
» Respostas: 0
» Visualizações: 15
Sucos Detox: Receitas de Sucos que Emagrecem
Última Resposta Por: MaiconM
14-08-2017 01:42 PM
» Respostas: 2
» Visualizações: 3386
16 receitas que provam que o ovo pode salvar sua vida culinária
Última Resposta Por: Bruna T
12-08-2017 10:55 PM
» Respostas: 0
» Visualizações: 216
Emagrecedores vetados pela Anvisa e liberados pelo Congresso trazem riscos e dividem
Última Resposta Por: brunaep
11-08-2017 04:54 AM
» Respostas: 1
» Visualizações: 1261
Argila para o Rosto
Última Resposta Por: jaquedachanel
11-08-2017 04:42 AM
» Respostas: 3
» Visualizações: 1629
Torta de Liquidificador Integral
Última Resposta Por: João Casenn
09-08-2017 06:43 PM
» Respostas: 7
» Visualizações: 1600
Danette Caseiro Diet
Última Resposta Por: maria_mavi
08-08-2017 02:18 AM
» Respostas: 0
» Visualizações: 114
Pão branco poderia ser tão bom para você quanto o integral
Última Resposta Por: Daia
02-08-2017 02:39 PM
» Respostas: 0
» Visualizações: 1496
Dicas para Criar Tópicos Mais Atraentes
Última Resposta Por: Trovó Academy
27-07-2017 05:07 PM
» Respostas: 31
» Visualizações: 30413
Bolinha de Queijo Low Carb - Sem glúten!
Última Resposta Por: maria_mavi
26-07-2017 07:10 PM
» Respostas: 0
» Visualizações: 251
Coxinha Fit de Batata Doce
Última Resposta Por: maria_mavi
26-07-2017 07:05 PM
» Respostas: 3
» Visualizações: 1045
Óleo de coco faz tão mal à saúde quanto gordura animal e manteiga, dizem cientistas
Última Resposta Por: kahunanaturais
25-07-2017 02:53 PM
» Respostas: 3
» Visualizações: 1838
Como nos fizeram acreditar que chocolate amargo é saudável
Última Resposta Por: henriquelhrf
21-07-2017 12:22 PM
» Respostas: 2
» Visualizações: 791
Estudo Inovador Revela que Extrato de Cúrcuma é Superior ao Prozac para a Depressão
Última Resposta Por: henriquelhrf
21-07-2017 12:11 PM
» Respostas: 10
» Visualizações: 12042
[Sobrevivencialismo] Como se “desligar da rede” com pouco dinheiro
Última Resposta Por: brunorafa12
20-07-2017 05:20 PM
» Respostas: 6
» Visualizações: 4235
10 hábitos de casais felizes
Última Resposta Por: claudinei12
18-07-2017 03:17 PM
» Respostas: 2
» Visualizações: 1990
10 benefícios de fazer uma dieta com o uso de sucos detox.
Última Resposta Por: gugagmoraes
01-07-2017 09:57 AM
» Respostas: 0
» Visualizações: 763
10 fantásticos truques da maisena que você não conhecia
Última Resposta Por: Daia
28-06-2017 05:02 PM
» Respostas: 1
» Visualizações: 1615
É possível sobreviver comendo apenas um tipo de alimento?
Última Resposta Por: Daia
27-06-2017 05:01 PM
» Respostas: 0
» Visualizações: 911
Banana: O Super-Remédio Natural
Última Resposta Por: Ana 75
25-06-2017 05:38 PM
» Respostas: 17
» Visualizações: 37047
Saiba quais são os benefícios do azeite de dendê e aprenda duas receitas
Última Resposta Por: Ana 75
25-06-2017 05:36 PM
» Respostas: 1
» Visualizações: 436
Obesidade - CAUSAS??
Última Resposta Por: andremaria
23-06-2017 12:18 PM
» Respostas: 0
» Visualizações: 300
Os 18 Benefícios do Alho para Saúde
Última Resposta Por: Raimundo
19-06-2017 04:12 PM
» Respostas: 1
» Visualizações: 400
Os 10 melhores benefícios do chocolate amargo
Última Resposta Por: Bruna T
16-06-2017 02:54 PM
» Respostas: 0
» Visualizações: 355
8 conselhos que lhe ajudarão a superar a dor lombar de forma natural
Última Resposta Por: Bruna T
16-06-2017 02:52 PM
» Respostas: 0
» Visualizações: 318
7 alimentos que lhe permitem ajustar o nível de sódio para a sua saúde renal
Última Resposta Por: Bruna T
16-06-2017 02:50 PM
» Respostas: 0
» Visualizações: 246
Óleo de palma, também chamado de azeite-de-dendê, tem diversas aplicações
Última Resposta Por: Bruna T
15-06-2017 08:22 PM
» Respostas: 0
» Visualizações: 225
Azeite Dendê: benéfico ou maléfico?
Última Resposta Por: Bruna T
15-06-2017 08:22 PM
» Respostas: 0
» Visualizações: 179
John Harvey Kellogg, o médico que enfrentou a indústria da carne
Última Resposta Por: Bruna T
13-06-2017 06:46 PM
» Respostas: 0
» Visualizações: 319
Granola Caseira - com mel e muito Amor
Última Resposta Por: Bruna T
13-06-2017 06:33 PM
» Respostas: 0
» Visualizações: 188

Lista completa de tópicos

Divulgue o fórum em seu site!