Maca Peruana pelo menor preço você encontra na Tudo Saudável



Responder 
 
Avaliação do Tópico:
  • 4 Votos - 4 Média
  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5
Dez maneiras de destruir a imaginação de seu filho
02-01-2014, 05:19 PM
Resposta: #1
Dez maneiras de destruir a imaginação de seu filho
Vi um vídeo no youtube duma resenha do livro Ten Ways to Destroy the Imagination of Your Child do autor Anthony Esolen e achei muito interessante compartilhar. Fala várias coisas relacionadas à Nova Ordem Mundial, Engenharia Social, Educação, Imaginação, Cultura de Massas, Totalitarismo, etc.





Obra Comentada:
Esolen, Anthony, Ten Ways to Destroy the Imagination of Your Child. 1ª ed. Wilmington: ISI Books, 2010. (Sem tradução para o português.)


Tags: Crítica Cultural; Engenharia Social; Educação; Infância; Imaginação; Cultura de Massas; Totalitarismo.


Na introdução, o autor explica por que é importante destruir a imaginação das crianças. Ele diz que, se os bons livros são perigosos – porque podem mandar para os ares o mundo artificial em que as pessoas estão metidas e abrir-lhes a imaginação para o mundo real, onde poderão contemplar a Beleza, a Verdade, o Bem –, as crianças são ainda mais perigosas, porque tudo para elas é novidade. A imaginação delas precisa ser contida desde o começo, para que não se torne incontrolável no futuro; elas precisam crescer dóceis para se encaixarem no mundo que as espera, suavemente se submetendo às necessidades do Estado e da sociedade de massas.

É preciso converter as crianças em recursos para o Estado: elas devem ser de boa qualidade, sólidas, confiáveis e inertes. Este livro é um manual de como fazer isso.

Ele diz que, pela primeira vez na história da humanidade, a maioria das pessoas está trabalhando em coisas que não poderiam jamais despertar o interesse de uma criança. É somente reprimindo a imaginação que muitos de nós suportamos o nosso trabalho. Diz o autor:

“Já que devemos ter filhos, devemos garantir que eles sejam submetidos às técnicas mais eficientes para encaixá-los no mundo em que viverão – um mundo de shopping centers iguais por toda parte, comida enlatada igual por toda parte, burocracia igual por toda parte, entretenimento de massas igual por toda parte, política igual por toda parte.” (p. xiii)

Com uma aplicação judiciosa de três ou quatro dos métodos expostos neste livro, você poderá garantir que isso aconteça, completando, em casa, a destruição já iniciada pela escola e pela televisão.

No capítulo intitulado “Por que a verdade é sua inimiga”, o autor começa falando sobre Tempos Difíceis, de Charles Dickens. O professor Gradgrind só valoriza, na educação de seus alunos e de seus filhos, aqueles fatos que podem ser mensurados em laboratório ou submetidos de algum modo a um experimento científico. Isso era uma necessidade, porque a produção industrial estava a todo vapor e precisava de homens que soubessem operar o mundo material com muita eficiência.

Esolen diz que este foi um bom começo, sem o qual a educação moderna não teria concluído o seu primeiro estágio, rebaixando o senso da beleza a um sentimento particular e irracional. Porém, há um problema com esse método: fatos são realidades e podem acabar despertando a engenhosidade da criança. O autor fala do fascínio dos meninos pelas máquinas e pelo seu funcionamento, algo que era bastante incentivado em outros tempos. Para o nosso tempo, a transmissão de fatos tem seus perigos. A criança pode acabar aprendendo a fazer algo, ou se interessar tremendamente pelos elementos do mundo, escapando do controle.

Hoje, nós não precisamos mais de pessoas que saibam fatos – ou pelo menos não é isso que devemos encorajar. Está tudo registrado nos livros ou é da alçada de algum departamento do governo. O Estado toma conta de tudo o que é indispensável ao bom funcionamento da sociedade; então, para que se se preocupar? Se o que queremos é a incapacidade, o narcisismo, a superficilidade e a ignorância, é isso que deve vir sob a forma de “educação”. Queremos apenas uma educação esvaziada de qualquer estímulo à imaginação, mas também incapacitante para qualquer fim prático.

Memória
Para nos livrarmos da influência dos fatos, é preciso enfraquecer a memória. Os educadores devem menosprezar a memorização e priorizar o pensamento crítico e a “criatividade”.

Para destruir a memória, há duas maneiras. A primeira é encorajar a preguiça, jamais insistindo que a criança domine, por exemplo, as regras da multiplicação, ou memorize a localização de cidades e rios no globo terrestre. Depois é só preenchê-la com lixo. Diz o autor:

“Um de meus professores, o medievalista George Kane, uma vez contou-me sobre um fazendeiro que recitava Paraíso Perdido enquanto arava o campo. Imagine o perigo que um homem destes representa. (…) Possuir esse tesouro de poesia na memória – um tesouro de conhecimentos sobre o homem, arranjado em música – é estar armado contra os anunciantes e os controladores sociais. É ter a chance de pensamento independente, e a independência é, por natureza, imprevisível.” (p. 14)

Mas, mesmo com todo o esforço do sistema educacional, é impossível evitar que a criança entre em contato com alguns fatos que acabem indicando para ela algo que é real, bom e enobrecedor. Por isso, os planejadores sociais devem ficar atentos, privando esses fatos do poder de alimentar a imaginação, e isso se faz ensinando-os de maneira aleatória e desorganizada. Ele diz:

“Não ensine história ou geografia, porque essas matérias requerem uma estrutura mais abrangente na qual os fatos tenham sentido. Ensine 'unidades', gastando um mês no Egito, outro no Japão, como quiser. (…) Transforme ciência em biologia, biologia em ecologia e ecologia em coisinhas fofas. (…) Se a imaginação tem asas, podemos impedi-las de voar, atrofiando-lhes todos os músculos e ossos.” (pp. 15-16)

Ele lembra que o senso de estrutura – o senso da gramática em sentido amplo, ou seja, das normas de cada ciência ou arte, que ordenam cada parte em seu devido lugar – tem importância não apenas para as ciências físicas, mas para qualquer tipo de empreendimento intelectual. Ela nos permite ir além da fragmentação da nossa experiência, capacitando-nos a construir todo um universo artístico. Por isso o ensino da gramática (e aqui ele está se referindo à gramática de uma língua em particular) e da aritmética devem ser reduzidos a um conjunto arbitrário de regrinhas necessárias para passar numa prova, mas que não servem para mais nada. Na página 25, ele diz:

“Exija o trabalho enfadonho, mas daquele tipo que não tenha como fim o domínio dos fatos, o domínio de uma estrutura intelectual dentro da qual os fatos podem ser retidos e interpretados, ou o domínio de uma obra-prima para a qual a gramática ou a aritmética sejam as portas de entrada. Mantenha os estudantes ocupados e ociosos ao mesmo tempo.” (p. 25)

Dito isso, o autor entra propriamente no método para destruir a imaginação, e o primeiro deles é o seguinte:

Método 1
“Mantenha seus filhos em ambientes fechados o máximo possível”
(“Keep Your Children Indoors as Much as Possible”)

É preciso destruir o interesse da criança pelos elementos do mundo, começando pelo mundo natural. A observação da natureza (das montanhas, dos lagos, dos rios, do céu) desperta a curiosidade sobre o mundo (algo extremamente inconveniente), além de propiciar momentos de solidão em que a pessoa pode refletir (algo mais inconveniente ainda).

A contemplação do mundo natural – por exemplo, da vastidão do céu – é apta a despertar as noções de infinitude, expansão do espírito, júbilo, liberdade e do sagrado. Esse tipo de experiência pode abrir a imaginação para aquilo que está além do imediatismo do mundo material, e a pessoa pode passar a querer coisas que não são materiais. É preciso inspirar o sentimento de trivialidade do mundo natural.

Também, a criança que se acostume a assumir riscos físicos desenvolverá uma perigosa independência. Ele escreve:

“Finalmente, 'lá fora' é perigoso porque você pode se deparar com uma criatura mais ameaçadora à sua complacência do que um lobo, um urso ou uma pantera. Você pode se encontrar consigo mesmo. No mundo lá fora, serão apenas você e os seus recursos. (p. 38) (…) É dependência aquilo de que mais precisamos – homens e mulheres dependentes, com dinheiro para gastar, e vastas estruturas de negócios, entretenimento e governo para satisfazê-los.” (pp. 39-40)

Se Shakespeare tivesse vivido entre quatro paredes, não teria sido Shakespeare. Mark Twain não teria escrito Tom Sawyer e Huckleberry Finn. Isso para dar alguns exemplos. O homem de este novo mundo precisa deve considerar o virtual mais real do que o real. Deve desinteressar-se totalmente pelo real. Ele pode fazer o que quiser, desde que não saia da frente do monitor.


Método 2
“Jamais deixe as crianças sozinhas”
(“Never Leave Children to Themselves”)

“Tormentária” é o nome deste planeta que está sendo criado pelos engenheiros sociais:
Suas instituições de ensino são gigantescas, favorecendo o anonimato e impossibilitando a formação de amizades;
Os jogos são privados do seu caráter competitivo, para evitar submeter quem quer que seja ao constrangimento de uma derrota;
Ministram-se as matérias em blocos de 40 minutos, garantindo que o interesse genuíno por algum assunto jamais se desenvolva e, com o tempo, a criança perca a vontade de conhecer;
As crianças jamais aprendem a se organizar e auto-gerir.

As crianças não desenvolvem o caráter se tudo é mantido perfeitamente seguro para elas e conduzido totalmente pelos adultos, como já alertava o Padre Kilian, em 1930:

“Uma das formas mais altas de jogos são aqueles que se jogam em times. Não os faça sérios demais, mas equilibre o máximo de divertimento possível com a ordem e o decoro. Encoraje os tímidos a assumir riscos e encarregue-se de não permitir que os mais egoístas levem vantagem em detrimento dos menos atrevidos. Não é preciso tratar os meninos como se fossem feitos de vidro. Eles têm de se tornar capazes de resistir a algumas quedas, colisões e ferimentos. É a forma que a natureza tem de ensiná-los a tomar conta de si mesmos.” (Padre Kilian J. Hennrich, Boyleader's Primer).

O que importa, mais uma vez, é incapacitar as crianças e os jovens para se organizarem em comunidades com sentimentos e objetivos comuns. Quanto mais incapazes de se auto-gerir, mais necessidade elas terão do estado tecnocrático.

Método 3
“Mantenha as crianças longe de máquinas e de pessoas que saibam operá-las”
(“Keep children away from machines and machinists”)

“Lembre-se de que desejamos formar crianças para que sejam alienadas de qualquer afeição profunda por sua nação, por sua cidade, sua ascendência, seus vizinhos e até por sua família, mas isso não significa que queiramos pessoas que saibam se virar sozinhas. Assim como queremos criá-las em hordas de iguais, mas essencialmente solitárias, queremos que elas se considerem competentes para fazer qualquer coisa, ainda que incapazes de trocar uma maçaneta.” (p. 75)

A engenhosidade era muito incentivada até meados do século XX. Havia muitas publicações que encorajavam hobbies bastante úteis e que estimulavam a inventividade. É preciso desencorajar as crianças de “pôr a mão na massa”; ressaltar os perigos de manusear ferramentas, lidar com a eletricidade etc.

Deve-se transformar a ciência em cartilha política, ensinando, não como as coisas funcionam, mas O Que é Correto Acreditar Sobre a Ciência: que o mundo está esfriando, está esquentando, está esfriando de novo; acreditar na reciclagem, que o homem veio do macaco, a pureza dos animais, a maldade do homem etc.

“Devemos, a todo custo, impedir que as crianças fiquem fascinadas pelo habitat das baleias, ou pelo design que torna possível a vida debaixo d'água. Devemos encorajá-las a acreditar que Baleias Devem ser Salvas. Não importa se isso esteja certo, não é este o ponto. Podemos igualmente transformar os cursos de ciências e os museus em programas políticos afirmando que Baleias Devem ser Destruídas, Baleias São uma Ameaça para a Humanidade etc. O ponto é rebaixar a imaginação e jamais permitir que a criança se envolva com os elementos do mundo.” (p. 76)

É preciso afastar as crianças de adultos que saibam fazer coisas, que tenham habilidades que requeiram destreza, força bruta ou anos de observação atenta de algo. Desencorajar:
O trabalho com grandes máquinas: dando o exemplo da operação com um trator, Esolen explica que esse tipo de tarefa tem um poder pedagógico muito perigoso, ensinando a criança a ser dócil com a realidade, a observar como as coisas funcionam, a adequar-se ao objeto com o qual trabalham;
A amizade com artesãos e inventores;
Os brinquedos que envolvam mapas e projetos: isso encoraja o raciocínio estratégico e acostuma a criança a lidar com grandes estruturas abstratas. Ele dá o exemplo do Tolkien, que, antes de escrever as histórias da Terra Média, havia feito os mapas desse mundo imaginário e desenvolvido suas línguas.

“Para que servirão suas crianças se, além de incapazes para a leitura mais profunda e incapazes de um encontro imaginativo com o mundo natural, forem estúpidas dos olhos e das mãos? Ora, assim elas estarão prontas para o trabalho governamental. Alguém, afinal de contas, tem de governar as massas estúpidas e dependentes, e por que não alguém tão estúpido e dependente como elas? É disso que se trata, afinal, nossa Constituição.” (p. 93)


Método 4
“Substitua os contos de fadas por clichês políticos e modas”
(“Replace the Fairy Tale with Political Clichés and Fads”)

Em Marcovaldo, Italo Calvino escreve sobre uma família de operários que, à noite, observam o céu do alto do prédio onde moram. Eles contemplam a lua e mergulham em pensamentos. A contemplação é interrompida por um letreiro que acende a intervalos, anunciando um conhaque. Como ele está parcialmente queimado, só se lê “nhaque”. A aparição do letreiro dispersa os pensamentos, e cada membro da família começa a fantasiar banalidades. Este é um símbolo do que se pode fazer para impedir que as pessoas tenham um envolvimento mais profundo com a realidade. Ele chama a este conto de Ítalo Calvino de um conto de fadas moderno.

Os contos de fadas, contos populares etc. trazem personagens fiéis à verdade da vida. Esses contos são para crianças, não porque sejam de menor importância, mas porque são enormes como a própria vida. Seus personagens habitam um mundo moral, onde as leis são claras. Isso não é falta de imaginação: é a base, o fundamento da imaginação.

“Para que seu filho não aprenda a pintar, prive-o de uma paleta. Para que ele não use a imaginação a fim de conceber histórias arquetípicas, prive-o da paleta narrativa. Elimine, ou corrompa e subverta todos os tipos. Isto será mais facilmente obtido se você privá-lo dos contos populares.” (p. 97)

Com isto você garantirá não apenas a constrição da imaginação, mas bloqueará o acesso a regiões inteiras das artes e da vida humana, tornando-as incompreensíveis. Não é raro que um mesmo conto popular inspire compositores de ópera, poetas, dramaturgos etc. Privada dos contos de fadas e contos populares, a criança terá muito mais chance de considerar essas grandes obras artísticas uma bobagem, desprezando-as.

A fim de achatar a imaginação moral, basta converter a literatura em programas políticos e reduzir a complexidade psicológica dos personagens a clichês. Obras literárias de grande densidade, como The Master of Hestviken (Sigrid Undest), Os irmãos Karamazov, Crime e Castigo etc. nos permitem um mergulho no coração humano. Se essa experiência se repetir na vida da pessoa, ela adquirirá uma resisência a engolir baboseiras políticas. Por isso é importante rejeitar tudo o que seja arquetípico e real, substituindo-o por figuras unidimensionais e motivos tolos, típicos do entretenimento de massas. Ele escreve:

“Ao contrário dos clichês, as verdades fundamentais exigem de nós uma resposta real: elas nos fazem debruçar sobre os mistérios desta vida (…). Mas uma resposta real requer silêncio, e paciência, e reflexão. Não é fácil. Clichês são fáceis. Portanto, eduque seu filho com clichês.” (p. 101)

Sobre o tipo de leitura recomendada para destruir a imaginação moral, ele diz o seguinte:

“Ao dar a nossas crianças o que é 'relevante', é preciso garantir que o livro esteja calcado neste tempo, neste lugar, nestas platitudes. De preferência, procure livros tão atulhados de referências tópicas, que sejam incompreensíveis em trinta anos. Livros assim, provocando respostas automáticas, raramente são mais do que obras de propaganda com um pouquinho de enredo (…). Se não tiver um livro assim, utilize-se daqueles que não vão além do efêmero: (…) você pode lê-los às dezenas, sem ser perturbado por um único pensamento que abra a carapaça da sua mente.” (p. 106)

Chesterton dizia que o problema das pessoas que não acreditam em Deus não é que elas não acreditam em nada, mas que acreditam em qualquer coisa. A melhor coisa atualmente para que as pessoas acreditem é o Estado. Estimule o furor partidário. Devemos ensinar que todos os empreendimentos humanos são, no fim das contas, por poder. Ler é um ato político; a arte é uma manifestação política. Você deve ler para adotar a postura política correta.

“Alimente as crianças com o que é politicamente motivado, independentemente da direção, e você insinuará em suas mentes que todas as matérias humanas que eles estudam, e algo das científicas também, são jogos de poder e nada mais. (…) Mais uma vez, não importa a direção política adotada, mas que só a política importe.” (p. 109)

Mais à frente, Esolen fala da “redução das pessoas a cartoons politicamente motivados” e da História a uma revista em quadrinhos.

Alguém pode objetar que todas as histórias são escritas assim, com um viés político. Mas ele diz:

“Não são, não. Algumas histórias chegam perigosamente perto de um exame justo, confiável e abrangente do passado, unindo-se a um desejo artístico de dar vida às pessoas que viveram então, com seus grandes sucessos e fracassos. (…) Há um universo de bem e mal que não pode ser reduzido à política, assim como a abóbada do céu, coberta de estrelas, não pode ser reduzida a um planetário.” (p. 112-113)

A redução da arte à política pretende produzir a resposta perfeita: “Não sei do que você está falando”. A redução de tudo à política conduz à redução de tudo à insignificância. Homero? Por que eu deveria me importar com Michelangelo? Não sei do que você está falando.

Método 5
“Difame o heróico e o patriótico”
(“Cast Aspersions upon the Heroic and Patriotic”)

Esolen conta que, quando era menino, as celebrações do Memorial Day lhe inspiravam um sentimento que tinha algo a ver com o significado de ser um homem e, principalmente, de pertencer a uma nação. Hoje em dia, nos EUA, já se perdeu muito do senso de honrar o país e os pais (no sentido histórico).

Em 1984, de George Orwell, os funcionários do Ministério da Verdade encarregavam-se de destruir fotografias e notícias do passado. Isso é importante para arraigar as pessoas no imediatismo do presente, sem nenhuma memória do passado. Os planos de controle social devem incluir essa constante destruição do passado (ou a destruição de qualquer admiração por ele), para que as pessoas desejem sempre e somente o que é novidade, sem fazer perguntas inconvenientes sobre de onde vem essa novidade e para onde ela nos levará.

É preciso “matar” os pais, os modelos, para que as pessoas sejam mais maleáveis ao controle social.

“Não queremos patriotas. Não queremos pessoas que amem o lugar onde estão. O propósito daquilo que é erroneamente chamado de 'multiculturalismo' é destruir a cultura, ensinando os alunos a desprezar a sua própria e tornar-se cliente de todas as outras. Por isso, o antídoto para o amor por este lugar não é o ódio a este lugar, mas um envolvimento postiço com qualquer outro lugar.” (p. 134)

Esse “matar os pais” se refere também a eliminar a influência que os pais biológicos têm sobre as crianças. Muito sucesso já se obteve com relação ao pai; com relação à mãe, graças à emancipação da mulher, já conseguimos eliminá-la quase totalmente da vida imaginativa das crianças.

Se queremos garantir que as crianças desenvolvam o cinismo desdenhoso pelo passado, é preciso colocar no centro da educação os erros do passado. Devemos olhar para o passado pelo lado oposto do telescópio, ou seja, reduzindo tudo a figuras minúsculas e distantes. Isso nos faz sentir moralmente superiores a eles.

Método 6
“Diminua todos os heróis”
(“Cut All Heroes Down to Size”)

As histórias de heroísmo e as figuras dos heróis ampliam nossa imaginação para considerarmos possibilidades em que nunca havíamos pensado e alargam o espectro daquilo que consideramos humano. O risco para o narcisismo é evidente: perto de um herói, que incopora uma virtude de forma excelente, ficamos menores, ganhamos o senso das proporções.

Devemos educar as crianças para rirem-se dos heróis e dos atos de heroísmo, enfatizando a inutilidade de seus feitos. Um herói, mesmo quando criação ficcional, incendeia a imaginação e pode ter efeitos imprevisíveis. Como destruir o ideal do heroísmo? Esolen diz:

“Em primeiro lugar, como o lugar mais provável para um herói mostrar sua coragem é o campo de batalha, difame o ideal militar. Você pode fazer isso denegrindo a inteligência dos soldados, pregando um pacifismo fácil e conveniente, bem como ensinando que a carreira militar está aberta a qualquer um, independentemente da capacidade física ou do sexo. (…) Ensine as crianças a rirem-se das virtudes mais difíceis de obter. (…) Ensine-as a rir do que você mesmo não compreende. Por fim, como o herói amplia nossa imaginação por ser tão diferente e mesmo superior ao restante de nós, ensine seus filhos a odiar e suspeitar da excelência.” (p. 147)

Democratize a excelência. Todos são excelentes, todos são heróis – simplesmente porque cumprem as tarefas ordinárias de viver como uma pessoa semi-decente.

Passo-a-passo para destruir a admiração pelo heroísmo:

Demonize as guerras, todas as guerras, evitando perguntas do tipo: Como seria a Europa, se a Grã-Bretanha tivesse se rendido a Hitler e Mussolini?, ou, Como seria a Ásia, se os americanos tivessem feito um acordo com os japoneses depois do ataque a Pearl Harbor? (O importante é que as pessoas falem sobre a paz, mas não movam uma palha por ela).
Estimule o hábito de reduzir as figuras históricas importantes a caricaturas ridículas.
Encoraje o deboche diante das virtudes: castidade? Ninguém é casto, e para que sê-lo? Auto-controle? Coisa de puritano. Honestidade? Todo mundo trapaceia.
Ensine que todos são iguais (igualdade putativa). Ressaltar a excelência de alguém é uma ofensa à auto-estima dos outros. Devemos ensinar que ninguém é melhor do que ninguém, apenas para que cada um se sinta superior aos outros, e, se vierem a admirar alguém, que seja a si mesmo.

Privando o jovem do manancial que é sua imaginação, ele buscará satisfação em encontros sexuais mecânicos ou em qualquer outra banalidade oferecida pela sociedade de massas.


Método 7
“Rebaixe toda a conversa sobre amor a narcicismo e sexo”
(“Reduce All Talk of Love to Narcissism and Sex”)

A alta literatura sempre foi inspirada pelo amor, mas é um amor que em breve será totalmente incompreensível. É o amor que reverencia o mistério do outro e que sequer depende de uma satisfação carnal. É aquilo que aparece na Odisséia, no episódio do encontro entre Odisseu e Nausicaa; em A Tempestade, entre Miranda e Ferdinando; entre Dante e Beatriz, na Divina Comédia.

É um tipo de amor que não busca antes de tudo a auto-satisfação, mas que implica uma submissão a algo mais alto e nobre. É um sentimento tão enraizado na experiência humana, que só se consegue aboli-lo abolindo-se o homem.

“Como fazer isso? Reduza o sexo à higiene ou à mecânica. Reduza eros à comichão da luxúria ou da vaidade. Reduza o amor entre homem e mulher a algo privado, arbitrário e socialmente indiferente. Enquanto isso, inunde a televisão e as revistas com imagens de pessoas desprovidas de roupas, a fim de que os únicos mistérios remanescentes residam no cruel, no bizarro e no repugnante.” (p. 168)

O problema com o homem embriagado pela luxúria não é que ele ignora as coisas do Céu, mas reduz mesmo as coisas da terra a estrume.

A moderna educação sexual tem contribuído muito para a redução do amor ao narcisismo e ao sexo. Em todos eles, os ideais de virilidade e feminilidade estão ausentes: homens e mulheres são reduzidos às suas funções biológicas, sem nenhuma conexão com o sentido de ser uma mulher ou ser um homem.

Nesta “admirável nova família”, não deve parecer estranho que os homens produzam leite, ou mesmo filhos. As pessoas devem ser dóceis à biotecnocracia e achar muito natural que os seres humanos sejam aqueles produtos ao fim de uma linha de produção.


Método 8
“Equipare as Distinções entre Homem e Mulher”
(“Level Distinctions between Man and Woman”)

Devemos esfriar qualquer desejo de união entre homem e mulher motivado por um fascínio: manter relações sexuais com A ou B deve ser encarado como mais uma dentre tantas decisões que uma pessoa de negócios deve tomar.

A distinção que entre havia entre meninos e meninas despertava em ambos uma tremenda curiosidade, e isso incentivava que se contemplassem e admirassem. Esse fascínio gerava muitas idéias perigosas, como o desejo de união para se começar uma família, um desejo de devoção ao outro. Isso deve ser desencorajado em nome do grande tédio que se tornou o contato com o outro. Misturar meninos e meninas como fazemos hoje, sem nenhuma distinção, é uma ótima maneira de evitar que os meninos criem amizades verdadeiras uns com os outros, e que vejam nas meninas aquele ser misterioso que os fascinava.

Fingindo que meninos e meninas são iguais, e compelindo-os a fazer as mesmas coisas, chega-se num denominador comum que é igualmente desinteressante para ambos. Os meninos já não podem ser plenamente meninos, nem as meninas, meninas.

É preciso eliminar qualquer resquício de rito iniciático: antigamente as meninas, depois que abandonavam as bonecas, começavam a colecionar os objetos e desenvolver as habilidades que lhes serviriam para a vida de mulher casada. Isso exercitava a imaginação: em vez de sonhar acordadas com um príncipe encantado, elas praticavam certos atos que trariam, no futuro, alegria para ela mesma e para aquele que ela viesse a amar.

Para destruir os ideais de virilidade e feminilidade, é essencial que se cultive o hábito de escarnecer as pessoas de antigamente: eram tolas, acreditavam que o mundo era plano, mantinham escravos, queimavam bruxas, fumavam, enfim. Apedrejá-los com qualquer pedra que se encontre.

Método 9:
“Distraia a criança com o superficial e o irreal”
(“Distract the Child with the Shallow and Unreal”)

Milton descrevia o exercício de sua imaginação poética como uma audição, como se as Musas ditassem a poesia para ele. Essa audição é um tipo de receptividade a algo que vem de fora. Por isso, podemos destruir a imaginação ao mesmo tempo em que alegamos encorajar a “criatividade”: a criança deve se acreditar um pequeno deus cujas idéias vêm todas de dentro. A tradição antiga considera o poeta um homem que em primeiro lugar escuta, e que só depois escreve os versos. São as Musas que falam.

É preciso privar a criança do silêncio e da quietude, porque eles restauram o poder da imaginação. Diz o autor:

“A imaginação é uma faculdade natural do homem. Algumas pessoas cometem o erro de cultivá-la, mas ela é geralmente tão poderosa que se afirmará se simplesmente permitirmos que a pessoa viva aquilo que costumava-se conhecer por vida normal. (…) Tudo o que é preciso para que a imaginação se restabeleça é algum tempo na solidão e no silêncio. Por isso eles devem ser abolidos.” (p. 202)

Isso significa a criança deve conviver com barulho. Por barulho, queremos dizer não apenas sons perturbadores, mas uma espécie de interferência espiritual. É preciso privar a criança de sossego, com o uso intensivo de televisores, computadores, video-games, celulares, enfim. Barulho e distração. Se ela não for capaz de parar para observar uma faixa de mar ou do céu, muito menos conseguirá visualizar essas coisas na imaginação. Assim, um repouso sobre o desenvolvimento moral de pessoas, como se vê em Orgulho e Preconceito, torna-se algo impossível.

As pessoas devem também tornar-se barulho umas para as outras. Ignore quem é seu vizinho e o anonimato será a regra da convivência.

“Queremos que nossas crianças sejam solitárias no sentido de que não terão ninguém perante quem possam abertamente revelar suas almas, mas não queremos que elas saibam que são solitárias. Isso poderia perturbar a tranquilidade da imaginação e levá-las a buscar um relacionamento humano verdadeiro.” (p. 213)

Mas o maior perigo de deixar as crianças em paz não é que elas descubram um dia livros maravilhosos que mostrem a elas dimensões da vida que jamais consideraram, ou que comecem a desenvolver a imaginação moral, passando a conferir mais humanidade a cada ser humano. O maior perigo é que, num destes momentos de silêncio, a estranheza e a maravilha deste mundo provoquem uma conversão. Se isso acontecer, mesmo que a pessoa não pertença a nenhuma religião, ela estará perdida para nós. Elas continuarão vivendo neste mundo, mas como se houvesse uma dimensão extra, ou duas, invisíveis para a maioria de nós.

Método 10
“Negue o Transcendente”
(“Deny the Transcendent”)

É um grande erro imaginar que as escolas devam ser neutras com relação ao Ser divino. O assunto é importante demais, e perigoso demais, para ser deixado de fora do currículo. Há três maneiras de abordar o assunto:

Dar por presumida a nobreza da fé. Os perigos desta opção são óbvios. Pessoas que obedeçam mais a Deus do que ao Estado tornarão o despotismo impossível.
Ser hostil à fé. Também não é uma boa opção, pois isso despertará reações que reavivarão a fé em muitos.
Banalizar o mistério. Esta é a melhor opção. Transforme a fé numa coisa infantil, e as pessoas a abandonarão quando crescerem.

O materialismo é a melhor opção. Não há nada para ser objeto de crença, porque tudo o que existe é matéria, e a matéria não tem nenhum sentido. Mantenha a palavra “apenas” na manga. Ele diz:

“Essa cor de fogo que vemos no pôr-do-sol é apenas a parte do spectrum que penetra na atmosfera num determinado ângulo (…). A idéia de Deus é apenas uma projeção do pai, ou um desejo, ou uma explicação antiga para tudo aquilo que hoje conhecemos muito bem (como a matéria, a energia, a gravidade, a carga elétrica, a origem do universo, o significado do bem e do mal, o acaso, a ordem, a inteligibilidade, o fim do homem), ou então que alguém sabe, em algum Lugar Importante. A beleza é apenas um 'tic' neurológico, ou uma opinião pessoal. O amor é apenas a tendência à reprodução (…)” (p. 236)

E o homem? O homem é apenas um ser na poeira cósmica. Como disse C.S.Lewis, a conquista da natureza pelo homem foi uma conquista do homem pela natureza.

Os destruidores da imaginação trabalham a todo vapor para extinguir esta coisa abominável chamada “homem” da face da Terra, a fim de substituí-lo por alguma outra coisa mais conveniente aos engenheiros sociais. Vai, e faze tu o mesmo.

Fonte
Visitar o website do usuário Encontrar todas as respostas deste usuário
Adiciona agradecimento Citar esta mensagem em uma resposta
[-] O(s) seguinte(s) 11 usuários diz(em) obrigado a jack award pelo seu post:
aliendobem (03-01-2014), Billian (02-01-2014), Mediador (13-11-2014), Mgll (02-01-2014), Rox Extreme (05-04-2015), Sann (02-01-2014), T.G (02-01-2014), Technologic Monk (03-01-2014), Toualy (02-01-2014), Vanessa_Michael (02-01-2014), Victor Sage (02-01-2014)
Aqui você encontra as barrinhas da Hart's Natural pelo menor preço
02-01-2014, 07:32 PM (Resposta editada pela última vez em: 02-01-2014 07:39 PM por Mgll.)
Resposta: #2
RE: Dez maneiras de destruir a imaginação de seu filho
Muito boa a resenha, dá para ver claramente que esses métodos são utilizados intensamente nas nossas vidas, e não percebemos (a grande maioria que ainda "dorme"). Quanto mais nós conhecemos esses métodos (conhecer o inimigo), melhor.

Obrigado pelo tópico @jack award!
Encontrar todas as respostas deste usuário
Adiciona agradecimento Citar esta mensagem em uma resposta
[-] O(s) seguinte(s) 5 usuários diz(em) obrigado a Mgll pelo seu post:
jack award (04-01-2014), Mediador (13-11-2014), Rox Extreme (05-04-2015), Technologic Monk (03-01-2014), Vanessa_Michael (02-01-2014)
02-01-2014, 08:24 PM (Resposta editada pela última vez em: 02-01-2014 08:25 PM por Sann.)
Resposta: #3
Thumbs Up RE: Dez maneiras de destruir a imaginação de seu filho
Parabéns ao @jack award pela postagem da matéria!

Classifico em 5 estrelas o post e seu conteúdo.

Sempre tive esta preocupação em ver as crianças e os jovens com mais cuidados e atenção especial, posto que eles sempre SERÃO o futuro de qualquer país ou nação. Diante disso tempos atrás escrevi um artigo aqui no fórum, onde explico melhor Como Reorientar nossos Adolescentes/Jovens sobre a Nova Ordem Mundial.

Vou ver se adquiro o livro e assistir aos vídeos e posteriormente poderei acrescentar algo mais para enriquecermos os debates.

Grande abraço a todos! Smile

"Num tempo de engano universal, dizer a verdade é um ato revolucionário"

Visitar o website do usuário Encontrar todas as respostas deste usuário
Adiciona agradecimento Citar esta mensagem em uma resposta
[-] O(s) seguinte(s) 4 usuários diz(em) obrigado a Sann pelo seu post:
jack award (03-01-2014), Mediador (13-11-2014), Technologic Monk (03-01-2014), Vanessa_Michael (02-01-2014)
02-01-2014, 09:08 PM
Resposta: #4
RE: Dez maneiras de destruir a imaginação de seu filho
Excelente tópico, Jack.
Como sou relativamente novo (19 anos), acredito que consegui resistir a esses projetos dos engenheiros do oculto.
Transcender a prisão espiritual da qual tentaram me encarcerar foi difícil, as coisas vieram rápido demais, e acabei sendo cético de início. Mas consegui despertar meu senso crítico e perceber que o estado não é a única verdade e que, a imaginação é a única coisa capaz de despertar o eu interior, espiritual de cada um.
Eu já vivo em outro tempo, e não me preocupo mais com a mesquinhez social. Vivo no meu mundo imaginário e, abdiquei da corrida materialista dos nossos irmãos encarcerados. As pessoas ao meu redor tentam desesperadamente fazer o "barulho" (citado no texto), mas raramente conseguem resultados.

Desde criança (7, 8 anos), sempre tive uma espiritualidade muito aguçada e sensível.

Rompia-se a escuridão com tambores de guerra, quando o pequeno rei ordenava.

Após o clarão das grandes colinas de fogo, ouvia-se apenas o som do silêncio.

Já não havia mais nada, nem mais escuridão;
O coração brando se alocava em distração.

Ele outrora mantinha-se calado, em sua magnânima conexão de solidão.


(Poema "Tambor do Silêncio", Por Technologic Monk)
Encontrar todas as respostas deste usuário
Adiciona agradecimento Citar esta mensagem em uma resposta
[-] O(s) seguinte(s) 2 usuários diz(em) obrigado a Technologic Monk pelo seu post:
jack award (04-01-2014), Rox Extreme (05-04-2015)
Goji Berry Pelo menor Preço Você Encontra na Tudo Saudável Produtos Naturais
Responder 


Tópicos Similares
Tópico: Autor Respostas Visualizações: Última Resposta
  Curtidas e Mentiras: 5 Maneiras que a Mídia Social Pode Estar Arruinando sua Vida admin 1 1,501 13-01-2016 09:29 PM
Última Resposta: Paulo2011
  As Regras da Desinformação: Vinte e Cinco Maneiras de Suprimir a Verdade admin 36 25,550 06-11-2013 06:29 PM
Última Resposta: Fabiana Bueno

Ir ao Fórum:


Usuários visualizando este tópico: 1 Visitantes
Tópicos relacionados...

Entre em Contato | Fórum Notícias Naturais | Voltar ao Topo | Voltar ao Conteúdo | Modo Leve (Arquivo) | Feeds RSS | Site Notícias Naturais | Loja Tudo Saudável
Publicidade:
Loja Tudo Saudável


Recomende o Fórum


Dossiê Vacina HPV
Registro de Efeitos Adversos das Vacinas Site Notícias Naturais

Pesquisar

(Pesquisa Avançada)

Olá, Visitante
Olá Visitante!
Para participar do fórum, é necessário se Registrar.



  

Senha
  





Usuários Online
Existem no momento 24 usuários online.
» 0 Membros | 24 Visitantes

Estatísticas do Fórum
» Membros: 15,555
» Último Membro: Edilberto Ferrari
» Tópicos do Fórum: 2,920
» Respostas do Fórum: 16,329

Estatísticas Completas

Tópicos Recentes
Óleo de coco faz tão mal à saúde quanto gordura animal e manteiga, dizem cientistas
Última Resposta Por: henriquelhrf
21-07-2017 12:28 PM
» Respostas: 2
» Visualizações: 1199
Como nos fizeram acreditar que chocolate amargo é saudável
Última Resposta Por: henriquelhrf
21-07-2017 12:22 PM
» Respostas: 2
» Visualizações: 544
Estudo Inovador Revela que Extrato de Cúrcuma é Superior ao Prozac para a Depressão
Última Resposta Por: henriquelhrf
21-07-2017 12:11 PM
» Respostas: 10
» Visualizações: 11700
[Sobrevivencialismo] Como se “desligar da rede” com pouco dinheiro
Última Resposta Por: brunorafa12
20-07-2017 05:20 PM
» Respostas: 6
» Visualizações: 4084
10 hábitos de casais felizes
Última Resposta Por: claudinei12
18-07-2017 03:17 PM
» Respostas: 2
» Visualizações: 1887
10 benefícios de fazer uma dieta com o uso de sucos detox.
Última Resposta Por: gugagmoraes
01-07-2017 09:57 AM
» Respostas: 0
» Visualizações: 650
10 fantásticos truques da maisena que você não conhecia
Última Resposta Por: Daia
28-06-2017 05:02 PM
» Respostas: 1
» Visualizações: 1495
É possível sobreviver comendo apenas um tipo de alimento?
Última Resposta Por: Daia
27-06-2017 05:01 PM
» Respostas: 0
» Visualizações: 815
Banana: O Super-Remédio Natural
Última Resposta Por: Ana 75
25-06-2017 05:38 PM
» Respostas: 17
» Visualizações: 36665
Saiba quais são os benefícios do azeite de dendê e aprenda duas receitas
Última Resposta Por: Ana 75
25-06-2017 05:36 PM
» Respostas: 1
» Visualizações: 380
Obesidade - CAUSAS??
Última Resposta Por: andremaria
23-06-2017 12:18 PM
» Respostas: 0
» Visualizações: 263
Os 18 Benefícios do Alho para Saúde
Última Resposta Por: Raimundo
19-06-2017 04:12 PM
» Respostas: 1
» Visualizações: 358
Os 10 melhores benefícios do chocolate amargo
Última Resposta Por: Bruna T
16-06-2017 02:54 PM
» Respostas: 0
» Visualizações: 315
8 conselhos que lhe ajudarão a superar a dor lombar de forma natural
Última Resposta Por: Bruna T
16-06-2017 02:52 PM
» Respostas: 0
» Visualizações: 259
7 alimentos que lhe permitem ajustar o nível de sódio para a sua saúde renal
Última Resposta Por: Bruna T
16-06-2017 02:50 PM
» Respostas: 0
» Visualizações: 191
Óleo de palma, também chamado de azeite-de-dendê, tem diversas aplicações
Última Resposta Por: Bruna T
15-06-2017 08:22 PM
» Respostas: 0
» Visualizações: 183
Azeite Dendê: benéfico ou maléfico?
Última Resposta Por: Bruna T
15-06-2017 08:22 PM
» Respostas: 0
» Visualizações: 139
John Harvey Kellogg, o médico que enfrentou a indústria da carne
Última Resposta Por: Bruna T
13-06-2017 06:46 PM
» Respostas: 0
» Visualizações: 270
Granola Caseira - com mel e muito Amor
Última Resposta Por: Bruna T
13-06-2017 06:33 PM
» Respostas: 0
» Visualizações: 147
16 Benefícios do Gergelim – Para Que Serve e Propriedades
Última Resposta Por: Bruna T
13-06-2017 05:57 PM
» Respostas: 0
» Visualizações: 177
Dicas para Criar Tópicos Mais Atraentes
Última Resposta Por: Rodrigo de Lima Borges
12-06-2017 01:20 PM
» Respostas: 30
» Visualizações: 29479
A verdade sobre o Bacalhau: ele não é um peixe, mas vários
Última Resposta Por: Bruna T
05-06-2017 10:06 PM
» Respostas: 0
» Visualizações: 746
5 mitos e verdades sobre o ovo
Última Resposta Por: Bruna T
05-06-2017 09:56 PM
» Respostas: 0
» Visualizações: 323
7 hábitos que prejudicam a saúde da pele
Última Resposta Por: Bruna T
05-06-2017 09:49 PM
» Respostas: 0
» Visualizações: 285
6 alimentos para manter a saúde da pele e cabelos
Última Resposta Por: Bruna T
05-06-2017 09:39 PM
» Respostas: 0
» Visualizações: 243
Perimenopausa: tudo o que você precisa saber
Última Resposta Por: Bruna T
05-06-2017 05:11 PM
» Respostas: 0
» Visualizações: 202
Como a alimentação pode ajudar na Síndrome do Ovário Policístico
Última Resposta Por: Bruna T
05-06-2017 04:56 PM
» Respostas: 0
» Visualizações: 235
Docinho de manteiga de coco
Última Resposta Por: Bruna T
05-06-2017 04:47 PM
» Respostas: 0
» Visualizações: 151
Sal Rosa do Himalaia – Benefícios, Como Usar, Propriedades e Dicas
Última Resposta Por: Bruna T
05-06-2017 04:40 PM
» Respostas: 0
» Visualizações: 218
Medidor de níveis de glicose que não usa amostra de sangue
Última Resposta Por: Bruna T
29-05-2017 11:30 PM
» Respostas: 0
» Visualizações: 661

Lista completa de tópicos

Divulgue o fórum em seu site!